Tamanho do texto

O País tem participado das discussões que tentam impor novas regras para as transferências entre nações

Agência Estado

O Brasil tem participado das discussões que tentam impor novas regras para as transferências internacionais. A Confederação Nacional da Indústria (CNI) acompanha o debate por meio do B-20 – grupo de associações empresariais do G-20 – e a expectativa é que um primeiro plano de ação seja divulgado este mês. Com base nisso, será possível definir em quais pontos poder haver avanço.

Uma possível mudança na tributação internacional pode ser benéfica para o Brasil fazer ajustes necessários, segundo José Augusto Fernandes, diretor de Políticas e Estratégia da CNI. Para ele, o governo brasileiro tende a se engajar nas discussões propostas. "Achamos importante a participação e um envolvimento do Brasil. Até porque na área de tributação internacional, o Brasil tem regras, por vezes, muito peculiares", disse.

Leia também: Tributação no Brasil é maior que em 17 países da OCDE

O governo brasileiro, por exemplo, ainda tem poucos acordos de bitributação. "Pode ser uma boa oportunidade de o País refletir sobre a necessidade de modernizar o sistema e ficar mais próximo das regras do mundo", afirmou Fernandes.

Em outubro, o Brasil vai ser sede de uma reunião do comitê fiscal do Business Industries Advisory Council (Biac) – um órgão da OCDE – para discutir as questões envolvendo tributações internacionais.

O pedido ao G-20 para definir novas regras para transferências internacionais partiu dos países integrantes da OCDE. O debate também ganha força por causa da atual crise econômica, que tem afetado a área fiscal das economias.

Mudança necessária

Na avaliação do diretor da CNI, é difícil tirar esse tema da agenda do comércio internacional. Ele acredita que é importante aperfeiçoar a legislação naquilo que é ela é ineficiente para dar mais segurança jurídica. "Isso pode estar criando um problema de reputação para algumas empresas", afirmou.

"Algumas companhias, que não necessariamente estão fazendo algo de errado no mundo, mas aproveitando as diferenças de legislação, passam a ser demonizadas. É importante que haja regras mais claras", afirmou. "Todos os países teriam de fazer mudanças."

Ele também acredita que as mudanças devem ser cuidadosas para não criar um cenário adverso, num momento em que o mundo enfrenta forte crise econômica. "Se você cria um sistema anti-investimento e fluxo de capital, pode estar reduzindo o crescimento da economia global."

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.