Tamanho do texto

No semestre, aumento chega a 6,40% na comparação com igual período de 2012

Agência Estado

A inadimplência no comércio, em junho, apresentou uma leve alta, de 0,67%, na comparação com junho do ano passado.

No acumulado do semestre, o aumento da inadimplência chega a 6,40% na comparação com igual período de 2012. Os dados estão presentes em estudo do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), divulgado nesta sexta-feira (19). O trabalho apresenta informações segmentadas sobre o indicador mensal de inadimplência no comércio brasileiro.

-Veja também: inadimplência sobe 5,6% no primeiro semestre, aponta Serasa

A pesquisa mostra que a inadimplência, no mês passado, ficou concentrada em valores acima de R$ 500, que representaram 49,54% do universo de devedores. As dívidas até R$ 500 responderam por 15,97% dos casos. Valores até R$ 250 refletiram 18,37% do total.

As dívidas até R$ 500 responderam por 15,97% dos casos de inadimplência no País
Thinkstock/Getty Images
As dívidas até R$ 500 responderam por 15,97% dos casos de inadimplência no País

Dívidas de até R$ 100 responderam por 16,12% dos casos. Entram nesse cálculo da inadimplência pessoas que estão com contas em atraso há mais de 90 dias.

Os dados levam em consideração mais de 150 milhões de CPFs. O SPC, entretanto, não divulga o número absoluto de inadimplentes dentro desse total de CPFs. Mas a pesquisa apresenta o perfil da inadimplência, com dados por gênero, idade e valor da dívida.

Esse detalhamento permitiu, por exemplo, apurar que a maior parte dos cadastros negativos concentra-se em CPFs de consumidores com mais de 65 anos de idade. Outra conclusão obtida foi que 53,7% dos cadastros inadimplentes pertenciam a mulheres e 46,23% eram de homens.

O SPC destaca que as mulheres foram as que mais atrasaram as dívidas no mês de junho, mas também foram as que mais sanaram os compromissos atrasados. O público feminino liderou a recuperação de crédito, com 55,12%. Os homens representaram 44,88% dos CPFs removidos da base de inadimplentes do SPC.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.