Tamanho do texto

Entrada da commodity na China subiu para uma máxima recorde de 6,93 milhões de toneladas em junho, com um alívio nos congestionamentos dos portos brasileiros

Reuters

Envios da oleaginosa dispararam quase 36% ante as 5,1 milhões de toneladas em maio
Agência Brasil
Envios da oleaginosa dispararam quase 36% ante as 5,1 milhões de toneladas em maio

As importações chinesas de soja subiram para uma máxima recorde de 6,93 milhões de toneladas em junho, com um alívio nos congestionamentos dos portos brasileiros elevando os envios e em meio a expectativas de que haverá um aumento ainda maior nas entregas deste mês.

Os envios da oleaginosa para o maior comprador mundial dispararam quase 36% ante as 5,1 milhões de toneladas observadas em maio, mostraram dados da Administração Geral das Alfândegas nesta quarta-feira.

"As importações de janeiro a maio foram bastante reduzidas, em cerca de 3 milhões de toneladas", disse uma autoridade no Centro Nacional de Informações de Grãos e Óleos da China (CNGOIC), um órgão de pesquisa.

"Com as importações tão reduzidas, as importações de julho devem ser ainda maiores, mais de 7 milhões de toneladas", disse a autoridade, que pediu para não se identificar por não estar autorizada a dar declarações à imprensa.

Leia mais: Conab: safra de soja no Brasil teve recorde de área cultivada e produção

O grande volume de importações nas últimas semanas pela China tem pressionado os preços domésticos dos produtos de soja, e prejudicam as margens de moagem, disse o CNGOIC.

Os futuros do óleo de soja na bolsa de commodities de Dalian eram negociados a 7.276 iuanes por tonelada nesta semana, queda ante um fechamento de 9 mil iuanes em fevereiro, mês quando as importações de soja ficaram em seu nível mais fraco neste ano.

"As importações de soja pela China subiram fortemente em junho pois todos os carregamentos que estavam atrasados por conta de congestionamentos nos portos do Brasil têm sido entregues. Acho que este bom momento para as importações deve recuar após julho", disse a analista de investimentos da Phillip Futures, Joyce Liu.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.