Tamanho do texto

Segundo Guido Mantega, prazo pode ser calibrado de acordo com as vendas e a inflação

Agência Estado

Para tanquinho, a alíquota do IPI, que será de 4,5% até setembro, aumentará para 5%
Fábio Rodrigues Pozzebom/ABr
Para tanquinho, a alíquota do IPI, que será de 4,5% até setembro, aumentará para 5%

A partir de 1º de outubro deste ano, o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) de refrigerador, congelador e tanquinho terá uma nova alta. 

Em 1º de outubro, a taxa para refrigerador e congelador subirá para 10%. Até setembro, esses produtos terão alíquota de 8,5%. Para tanquinho, a alíquota do IPI, que será de 4,5% até setembro, aumentará para 5%.

-Veja também: aumento do imposto sobre linha branca será menor até setembro, diz Mantega

Durante o anúncio da recomposição, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, informou que uma nova elevação de IPI de vários produtos está prevista para outubro, mas ele ponderou que esse prazo pode ser "calibrado" de acordo com o desempenho da arrecadação, das vendas e da inflação.

As alíquotas do imposto foram reduzidas durante a crise financeira de 2009 para preservar investimentos e empregos. Elas sofreram uma primeira elevação parcial em fevereiro deste ano, e havia a previsão de retornarem às alíquotas originais nesta segunda-feira (1º). No entanto, o governo decidiu apenas aumentar em parte as taxas, adiando a recomposição integral em mais três meses.

Com a recomposição publicada no decreto, as alíquotas que valem até setembro são: fogão, sobe de 2% para 3%; tanquinho, passa de 3,5% para 4,5%; refrigerador e congelador, sobe de 7,5% para 8,5%; máquina de lavar roupa, antes 20%, já está com tarifa definitiva de 10%; móveis em geral, sobe de 2,5% para 3%; painéis, sai de 2,5% para 3%; laminados, aumenta de 2,5% para 3%; luminárias, sobe de 7,5% para 10%; papéis de parede, sobe de 10% para 15%.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.