Tamanho do texto

Presidente da Comissão Reguladora do Sistema Bancário da China afirmou que a recente crise de liquidez no mercado de crédito interbancário diminuiu

Agência Estado

No início da semana, o BC chinês sinalizou que tentava pôr fim a aperto de caixa
Thinkstock/Getty Images
No início da semana, o BC chinês sinalizou que tentava pôr fim a aperto de caixa

O presidente da Comissão Reguladora do Sistema Bancário da China, Shang Fulin, afirmou que existe liquidez abundante no sistema bancário do país e que a recente crise de liquidez no mercado de crédito interbancário diminuiu. Trata-se da mais recente tentativa das autoridades de tranquilizar o nervosismo dos mercados.

No início desta semana, o banco central chinês sinalizou que estava tentando pôr um fim a um aperto de caixa, cujo objetivo fora esvaziar uma perigosa bolha de crédito, depois que as quedas no mercado chinês e no exterior terem indicado que suas políticas poderiam produzir efeitos negativos e provocar uma forte desaceleração na segunda maior economia do mundo.

"Nosso sistema bancário não sofre de falta de liquidez, apesar do recente aperto de caixa, que ocorreu em razão de uma série de fatores", afirmou Shang durante um fórum financeiro. A crise de crédito diminuiu nos últimos dias e "não vai afetar as operações diárias dos bancos", afirmou ele, acrescentando que alguns bancos precisam melhorar sua liquidez e gerência de risco.

Leia mais: Com economia da China enfraquecida, universitários temem o desemprego

A falta de crédito interbancário se espalhou para o mercado de ações, deixando os investidores nervosos e provocando queda de 5% no valor das ações na segunda-feira (24), embora os preços já tenham se recuperado.

Shang disse que o regulador vai continuar a pedir aos bancos que mantenham o controle sobre as plataformas de crédito para os governos locais, que cresceram muito entre 2009 e 2010, quando, como parte do pacote de estímulo econômico, os bancos receberam sinal verde para emprestar recursos para projetos de investimento de governos locais.

Muitos economistas e analistas temem que boa parte desse dinheiro tenha sido investida em projetos dispendiosos e inúteis, o que pode levar ao aumento de créditos podres no sistema bancário. O regulador bancário também pediu aos bancos comerciais que fortaleçam a fiscalização de produtos de gestão de riquezas – investimentos que oferecem apenas parte da garantia de um depósito, mas fornece retornos mais altos – e melhore a transparência das vendas desses produtos.

Até o final de março, os ativos aplicados nesses produtos somavam 8,3 trilhões de yuans, disse Shang. Dados do regulador bancário mostram que os valores investidos nesses produtos chegaram a 7,1 trilhões de yuans no final de 2012, quando a agência coletou dados sobre eles pela primeira vez. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.