Tamanho do texto

No ano passado, desonerações foram equivalentes a 1% do Produto Interno Bruto do País

Agência Estado

O governo só não avançará nas desonerações tributárias se estas medidas ameaçarem o resultado fiscal, declarou o ministro da Fazenda, Guido Mantega, em audiência pública na Câmara dos Deputados na tarde desta quarta-feira (26). No ano passado, relatou, as desonerações foram equivalentes a 1% do Produto Interno Bruto (PIB).

-Veja também: 'Se seguíssemos a oposição, naufragaríamos', diz Guido Mantega

"Boa parte foi desoneração da folha (de pagamento) das empresas. Todo mundo quer entrar na folha". Segundo Mantega, o governo combinou controle fiscal e da inflação com crescimento dinâmico da economia.

Guido Mantega:
Agência Brasil
Guido Mantega: "O que temos são grandes empresas em todos os setores."

Na opinião dele, os europeus fizeram só austeridade fiscal e entraram em recessão. "Muitos, no passado, fariam no Brasil o que a Europa fez", disse.

Reservas

Em outro questionamento na audiência, Mantega citou que as reservas internacionais do País, em níveis históricos, são a garantia do País "para situação de dificuldade". "Não concordo que devemos desconsiderá-las no cálculo. Alguém disse que elas são como cheque especial, mas não são. É cash", afirmou.

Em resposta a parlamentares oposicionistas que disseram que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) atende cartéis, o ministro afirmou desconhecer "os cartéis mencionados". "O que temos são grandes empresas em todos os setores."

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.