Tamanho do texto

Rally dos Sertões chega à 21ª edição com R$ 12 milhões em investimentos e segunda geração à frente do evento

Brasil Econômico

A versão brasileira é a segunda mais importante da categoria - só perde para o Rally Paris-Dacar
Reprodução
A versão brasileira é a segunda mais importante da categoria - só perde para o Rally Paris-Dacar

No dia 25 de julho será dada a largada para a 21ª edição do Rally dos Sertões, saindo de Goiânia. O evento, que começou em 1992, com o nome de Rally de São Francisco, tinha apenas 42 competidores. No ano passado, representações do Brasil, Chile, Estados Unidos, Portugal, Alemanha e França marcaram presença. A versão brasileira é a segunda mais importante da categoria - só perde para o Rally Paris-Dacar. Mais do que uma competição, a prova se torna, ano a ano, uma vitrine de marcas e catalizador de patrocinadores. Para 2013, são R$ 12 milhões em investimentos, envolvendo a organização, inscrição de competidores e patrocínios.

Criada por Marcos Ermírio de Moraes, filho do empresário Antônio Ermírio de Moraes, a Dunas Race, detentora da marca Sertões,nasceu com o objetivo de organizar e promover o Rally dos Sertões. Um negócio mais desafiador que as trilhas percorridas pelos competidores. A estrutura deles inclui 55 carros, cinco aeronaves, camarotes, equipes de cenografia, caminhões e duas mil pessoas envolvidas.Agora, ele divide todo esse trabalho em seu escritório em Alphaville, São Paulo, com o filho Lucas Moraes.

Lucas é responsável pela gerência de Marketing e Novos Negócios da Dunas Race. E prepara novidades. Uma delas é o licenciamento da marca para uso em jogos de tabuleiro, brinquedos infantis, e a expansão das linhas de roupas, calçados e acessórios que já são vendidos durante a prova. O lançamento está marcado para 2014, em parceria com a empresa Global Licenses. 

Na edição desse ano, a lista de patrocinadores cresceu e inclui desde o governo do estado de Goiás, passando pela Caixa Econômica Federal, Mitsubishi, a fabricante de pneus para off road Rinaldi, Honda e a fabricante de câmeras GoPro, entre outras. Para Lucas, cada vez mais as empresas querem se aproximar do consumidor por mídias não tradicionais.

“O Rally oferece essa comunicação. Além de um roteiro por regiões incríveis,os participantes tem um perfil premium, de formadores de opinião e importante para as marcas”, diz.

A Mitsubishi Motors, além de ter uma equipe própria competindo e fornecer carros de apoio, faz do Rally um laboratório para testar novos componentes e novos veículos. A tração 4X4 de seus veículos e os reforços de chassis e suspensão foram aprimorados na competição. Outro pilar do evento é a área social. A parceria com o Instituto Brasil Solidário (IBS) leva atendimento a mais de 30 comunidades carentes por toda a região por onde o Rally passa.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.