Tamanho do texto

Agência vai divulgar até final desta semana corte nas projeções de alta do PIB, para 2,5%

Agência Estado

A agência de classificação de risco Fitch deve anunciar até o final de julho como fica o rating soberano brasileiro, que está atualmente em processo de revisão, disse a diretora sênior responsável por América Latina na Fitch, Shelly Shetty, em Nova York.

Além disso, a Fitch deve anunciar até o final desta semana um corte nas projeções de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro para 2013, provavelmente para algo em torno de 2,5%, ante 3% da estimativa atual.

-Veja também: Fitch reduz nota de crédito da OGX pela segunda vez em menos de 30 dias

A Fitch atribui a nota "BBB" para o Brasil, na categoria grau de investimento, e com perspectiva "estável" (o que indica igual chance de o rating ser rebaixado ou elevado).

Shelly diz que pela política da agência não pode adiantar o que acontecerá com a nota brasileira no processo de revisão ou mesmo com a perspectiva do rating até que seja divulgado o relatório final, previsto para sair até o final do mês que vêm.

A Fitch atribui a nota
Thinkstock/Getty Images
A Fitch atribui a nota "BBB" para o Brasil, na categoria grau de investimento, e com perspectiva "estável"

Recentemente, a Standard and Poor's (S&P) rebaixou a perspectiva da nota brasileira para "negativa" e a Moody's disse que também deve mudar o viés, mas sem revelar para qual nível.

No começo do mês, a executiva da Fitch esteve em Brasília em reuniões reservadas com a equipe da política econômica, inclusive com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, e o Tesouro. Mas a agência também não comenta o que foi discutido nestas conversas fechadas.

Sobre os protestos brasileiros, a diretora da Fitch diz que a reação inicial foi de surpresa diante do tamanho das manifestações nas capitais brasileiras, mas ressaltou que ainda é cedo para avaliar impactos nos gastos públicos e nas contas do governo.

"Estamos vendo vários governantes indo falar com a presidente e temos que monitorar de perto qual tipo de decisão o governo vai tomar, que políticas vai implementar e que tipo de impacto podem ter na economia", disse. "No caso dos gastos públicos, ainda é muito cedo para falar em impactos e tirar conclusões, pois ainda estamos esperando anúncios mais detalhados de que política vai ser tomada."

Além do Brasil, a Fitch vai reduzir a projeção de expansão econômica para outros países que formam a sigla Bric, que inclui China, Índia e Rússia. Shelly diz que após um período de forte crescimento, os mercados emergentes passam por um momento mais complicado, em um cenário global marcado ainda por crescimento frágil e desigual.

Shelly participou nesta terça-feira (25) da edição de 2013 da "Conferência Bancária Global", promovida pela Fitch. O evento avalia o setor financeiro e as perspectivas para a economia global e ocorre em nove cidades do mundo, que inclui Nova York, Frankfurt, Hong Kong e Paris.

A executiva ressaltou, em sua apresentação, que crescimento econômico fraco e dívidas dos governos altas estão pesando na avaliação de risco soberano da maioria dos mercados emergentes e países em desenvolvimentos. Nos emergentes, apenas oito países estão com perspectiva "positiva" para o rating soberano e a maioria, 11 países, está com viés "negativo", mostra um levantamento divulgado pela Fitch na conferência.

A situação é pior nos países em desenvolvimento, como os da África, América Latina e Ásia, onde nenhum tem perspectiva "positiva" no rating e dez têm viés "negativo". A Fitch não informou o número de países em desenvolvimento e emergentes com perspectiva "estável', que é o caso do Brasil.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.