Tamanho do texto

Apesar de 205 mil pessoas terem sido contratadas em maio, alta foi de 1,8% sobre 2012

O nível de emprego continuou crescendo segundo dados divulgados nesta quinta-feira (20) pela Pesquisa Mensal do Emprego, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mas o mercado de trabalho brasileiro deu sinais de desaceleração. A avaliação é do coordenador de trabalho e renda do IBGE, Cimar Azeredo:

"A maioria dos indicadores apresenta ou estabilidade ou um avanço inferior ao observado nos últimos anos, principalmente na evolução observada de 2011 para 2012", afirmou o coordenador.

-Veja também: desemprego se mantém em 5,8% em maio, informa o IBGE

A taxa média de desocupação dos primeiros cinco meses de 2013 alcançou 5,7%, 0,18 ponto percentual menor que a observada no mesmo período de 2012. Em 2011, a taxa havia ficado em 6,4%, 0,6% maior que a do ano seguinte.

Para Cimar, a redução do ritmo não se deve à dificuldade de se avançar em um patamar mais baixo, pois ainda há um número de desempregados expressivos em regiões metropolitanas como São Paulo (649 mil) e Rio de Janeiro (300 mil).

Taxa média de desocupação dos primeiros cinco meses de 2013 alcançou 5,7%, segundo IBGE
Agência Brasil
Taxa média de desocupação dos primeiros cinco meses de 2013 alcançou 5,7%, segundo IBGE

"Parte expressiva desses desempregados são jovens e há espaço sobretudo para programas que possam capacitá-los para o primeiro emprego. No Nordeste, principalmente, temos um cenário econômico que não é tão dinâmico", descreve ele. A taxa de desemprego em Salvador é 8,4%.

Na comparação de um mês com o mesmo mês do ano anterior, foi a primeira vez que a taxa de desemprego nacional ficou estável, sem variação, desde dezembro de 2009. Cimar, no entanto, explica que a representatividade dessa sequência deve ser ponderada por não levar em conta ajustes sazonais. Em maio de 2013, a taxa foi 5,8%, a mesma de abril de 2013 e de maio de 2012.

O nível de ocupação da população com mais de 10 anos de idade foi outro índice que evoluiu mais lentamente. Em 2010, ano da recuperação depois da crise econômica mundial, a média dos primeiros cinco meses do ano foi 52,7%, que subiu para 53,3% (+0,6 ponto percentual) em 2011, para 53,7% (+0,4 ponto percentual) em 2012, e agora para 53,9% (+0,2 ponto percentual).

O crescimento do trabalho com carteira assinada foi outro indicador menos expressivo nesta última pesquisa. Apesar de 205 mil pessoas terem obtido emprego com carteira assinada em maio de 2013, a alta foi de 1,8% sobre 2012. O ano passado cresceu 3,9% sobre 2011, que por sua vez foi 6,7% maior que 2010, ano que apresentou aumento de 7,4%.

Na redução de pessoas empregadas sem carteira assinada a desaceleração foi menor. Em maio, o número absoluto chegou a 2,280 milhões, com queda de 4,9% ante 2012, ano em que os postos desse tipo foram reduzidos em 6%. Em 2011, no entanto, o decréscimo tinha sido 3% sobre 2010.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.