Tamanho do texto

Só a companhia aérea Ryanair acertou a compra de 175 aviões Boeing 737-800

Reuters

O Boeing 737 Max foi uma das opções de compra
Divulgação
O Boeing 737 Max foi uma das opções de compra

As encomendas anunciadas durante a feira de aviação de Paris ultrapassaram os US$ 100 bilhões nesta quarta-feira (19), com Boeing, Airbus e Embraer aproveitando a maior demanda por aeronaves com menor consumo de combustível e o crescimento de companhias de baixo custo e de mercados emergentes.

A Ryanair, maior companhia aérea de baixo custo da Europa, concluiu uma encomenda envolvendo 175 aviões Boeing 737-800, avaliados em cerca de US$ 15,6 bilhões a preços de tabela. O pedido, anunciado no terceiro dia da feira de Paris, foi o maior individual já feito por uma empresa aérea europeia a um grupo norte-americano.

O presidente-executivo da Ryanair, Michael O'Leary, disse que também estava trabalhando em uma encomenda de 200 ou mais aeronaves 737 MAX, modelo de nova geração da Boeing, para este ano, num acordo avaliado em US$ 20 bilhões.

Sem ficar na sombra, a Airbus fechou um esperado pedido da Air France-KLM de 25 aviões A350, modelo mais leve e de grande porte da empresa, num acordo de US$ 7,2 bilhõespreviamente reportado pela Reuters.

A empresa europeia também recebeu pedido de US$ 8,6 bilhões envolvendo mais 30 unidades do A350-900s feito pela Singapore Airlines, elevando a encomenda total da empresa junto à Airbus para 70 aviões.

O A350, que fez voo inaugural na sexta-feira passada, é a resposta da Airbus ao Dreamliner da Boeing, produzido com compósitos de carbono. A batalha entre os dois modelos tem sido marcante na Paris Airshow, com as duas companhias disputando para atender a demanda pelo transporte aéreo nos mercados emergentes, especialmente na Ásia e Oriente Médio.

Enquanto isso, a Embraer anunciou na segunda-feira (17) que vai investir US$ 1,7 bilhão nos próximos oito anos para desenvolver uma segunda geração de seus aviões comerciais E-Jets. A companhia brasileira ainda divulgou encomendas potenciais formadas por mais de 360 unidades dos novos jatos, estimadas em US$ 18 bilhões.

Embora os acordos na quarta-feira tenham levado o volume de negócios da feira para mais de 100 bilhões de dólares até agora, muitos dos anúncios envolvem encomendas provisórias e aqueles com valores mais altos são fechados mediante descontos significativos ante os preços de tabela.

Ainda assim, a atividade confirmou o volume de trabalho para as fabricantes de aviões nos próximos anos.

Liderança

O presidente da Ryanair afirmou que a planejada compra dos Boeings 737 MAX mais tarde neste ano aumentará a frota da companhia em vez de substituir modelos atuais da empresa. Se a encomenda não for de pelo menos 200 aviões, "não valerá a pena fazê-la", disse O'Leary.

Mas alguns analistas ressaltaram que apesar da Ryanair poder bancar o uso da versão MAX do jato para crescer sua frota, a empresa não está sob pressão para comprar os aviões e provavelmente vai esperar os preços entrarem no ciclo de baixa para obter condições melhores pelas aeronaves.

O 737 MAX é a resposta da Boeing ao A320neo da Airbus, nova versão do modelo mais vendido da fabricante europeia.

Mais cedo nesta quarta-feira, a Boeing adiantou em seis meses a data para o início das operações do avião, para o terceiro trimestre de 2017, quase dois anos depois do A320neo.

O'Leary disse que uma equipe sênior da Boeing e da Ryanair está trabalhando em um pedido envolvendo o 737 MAX, e que a companhia está seriamente considerando o rival A320neo, ainda que a Ryanair não tenha nenhum aeronave da Airbus e que a fabricante europeia tenha afastado a ideia por diversas vezes.

"Estamos esperançosos de que vamos chegar a um acordo sobre o preço do pedido para o MAX em algum momento antes do final do ano", disse O'Leary, acrescentando que o 737 MAX oferece melhor economia de combustível que o A320neo, além de espaço para nove assentos extras.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.