Tamanho do texto

Os clientes poderão escolher os produtos dispostos na prateleira, obtém informações por meio de um filme explicativo e fechar suas transações muito além do horário comercial

Agência Estado

O banco escolheu a agência Trianon, na avenida Paulista, para testar o novo projeto
Getty Images
O banco escolheu a agência Trianon, na avenida Paulista, para testar o novo projeto

Imagine um banco como se fosse um supermercado. Você entra, sem ter de enfrentar o constrangimento de uma porta giratória cheia de detector de metais, escolhe os produtos dispostos na prateleira, como seguro, crédito consignado, obtém informações sobre eles por meio de um filme explicativo e ainda tem à disposição um funcionário para auxiliá-lo. Detalhe: a transação pode ser fechada muito além do horário comercial, isto é, das 7h às 23h, de segunda a sexta-feira. Essa agência bancária não é ficção científica.

Veja também: Odontoprev e Banco do Brasil criam nova operadora odontológica

Desde o dia 10 deste mês, o Banco do Brasil iniciou a operação de um projeto do que seria o banco do futuro. Escolheu a agência Trianon, localizada na avenida Paulista, no centro financeiro da capital paulista, para testar os novos conceitos do varejo bancário. “Queremos desmistificar a complexidade dos produtos bancários, que são fáceis e simples de serem contratados. Para isso buscamos a inspiração no varejo”, afirma o gerente executivo da Diretoria Pessoa Física do banco, Lourivaldo Paula Lima Jr.

Ele conta que durante uma ano e meio foram realizados vários estudos e pesquisas com consumidores para desenhar o que seria uma agência mais próxima do cliente. Nesses estudos constatou-se um paradoxo: na era da alta tecnologia, o cliente quer autoatendimento e a presença de alguém lhe dando atenção. “Nada substitui o gerente.”

Mais:  Brasildental terá foco inicial em pequenas e médias empresas

Com os produtos financeiros disponíveis em “caixinhas” dispostas na prateleira, o cliente obtém informações num filme e pode fazer simulações acionadas pelo código de barras do produto. Isso não elimina o atendimento de funcionário. Na agência piloto, o cenário é de uma sala de estar. Em 6 meses, o projeto será avaliado. A depender do resultado, o BB fará um plano para estender o modelo a outras agências. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.