Tamanho do texto

Para o presidente do BNDES, mudança na política norte-americana cria riscos de saída e de redução de ingresso de capital na região

Agência Estado

Presidente do BNDED, Luciano Coutinho
Getty Images
Presidente do BNDED, Luciano Coutinho

O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho, afirmou nesta segunda-feira (17), durante reunião com representantes de 19 países da América Latina, no Rio, que a mudança na política monetária dos Estados Unidos cria riscos de saída e de redução de ingresso de capital na região. "Isso põe pressão sobre o câmbio, taxa de inflação e as finanças públicas", disse Coutinho durante o seminário "Inovação e mudança estrutural na América Latina e Caribe: estratégias para um desenvolvimento regional inclusivo", na sede do BNDES.

Coutinho citou a desaceleração da economia mundial e a piora nos preços das commodities como outros fatores que tornam o cenário prospectivo para a economia latino americana menos favorável que nos últimos dez anos. A desaceleração do intercâmbio internacional pesa sobre as exportações desses países e tende a pressionar o balanço de pagamentos.

Veja também: Líderes do G8 se reúnem para discutir estímulos a economia e ao comércio

"Essas pressões vão requerer mudanças de estratégia com mais investimentos, em especial em infraestrutura, ciência e tecnologia e inovação. "Será mais necessário dar ênfase nos mercados domésticos, com mais integração econômica , mais produtividade e eficiência de nossas economias", disse o presidente do BNDES.

Para Coutinho, a competitividade dos países da América Latina dependerá de mais crédito de longo prazo, aumento da poupança doméstica e da produtividade do trabalho. E defendeu uma maior integração econômica da região para que as "sinergias do comércio e investimentos no continente possam ser capturadas".

Mais: EUA e Japão lideram recuperação nas principais economias, diz OCDE

"Esse tipo de cenário requer que a inovação seja o centro das estratégias. Requer que olhemos para nós mesmos, para a integração da cooperação em inovação, não só no sistema de ciência e tecnologia, como entre nossas empresas", disse Coutinho, destacando que essa é uma diretriz da presidente Dilma Rousseff.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.