Tamanho do texto

Economistas entrevistados na última pesquisa do Wall Street Journal acreditam que o banco vai começar a reduzir suas compras de bônus em breve, mas não interromperá estímulos

Agência Estado

Presidente do BC americano, Ben Bernanke
ASSOCIATED PRESS/AP
Presidente do BC americano, Ben Bernanke

Economistas entrevistados na última pesquisa do Wall Street Journal acreditam que o Federal Reserve vai começar a reduzir suas compras de bônus em outubro, mas não interromperão o programa como um todo até maio de 2014. Isso não seria o fim abrupto dos estímulos, como muitos participantes do mercado parecem temer. O Wall Street Journal consulta 52 economistas do setor privado, mas nem todos respondem a todas as questões.

Alguns acreditam que o Fed ficará decepcionado com o crescimento novamente, como já ocorreu diversas vezes durante a recuperação que dura quatro anos, e que uma diminuição das compras de bônus vai ocorrer mais tarde.

Julia Coronado, economista do BNP Paribas, tem críticas em relação à comunicação do Fed sobre o assunto. "A mensagem confusa ganha nota 20 em uma escala de zero a 100, em termos de comunicação", disse. A nota média entre os entrevistados, no entanto, é de 62. Em agosto do ano passado, a nota média era 75.

Crescimento

Em todos os anos de recuperação econômica o Fed superestimou a rapidez do crescimento da economia e muitos economistas acreditam que o banco central norte-americano está fazendo isso novamente. A pesquisa mensal do Wall Street Journal mostrou que a expectativa média entre eles é de que os EUA cresçam 2,3% este ano e 2,8% em 2014.

Já o Fed é mais otimista. Suas últimas projeções econômicas, divulgadas em março, são de crescimento de 2,6% este ano e 3,2% no ano que vem. Ao fim de sua reunião de dois dias de política monetária, na quarta-feira (19), o banco central vai divulgar suas projeções atualizadas de crescimento, inflação e desemprego.

A evolução dessas previsões é uma questão crucial. É improvável que as autoridades do Fed alterem, nesta reunião, seu programa de US$ 85 bilhões por mês em compras de bônus, lançado para impulsionar o crescimento ao pressionar as taxas de juros de longo prazo e impulsionar gastos, contratações e investimentos.

Mas o que eles disserem sobre a economia equivalerá a sinais importantes sobre o que esperam no futuro. Se eles mantiverem suas previsões econômicas, isso pode significar que as autoridades acreditam que tudo caminha para uma diminuição das compras de bônus ainda este ano. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.