Tamanho do texto

Para o presidente da instituição, Brasil chama atenção por ter 200 milhões de habitantes, dos quais poucos têm seguros

Agência Estado

Estrangeiros ainda estão de olho no País, afirma Bradesco Seguros
Thinkstock/Getty Images
Estrangeiros ainda estão de olho no País, afirma Bradesco Seguros

Apesar do momento que a economia brasileira vive - de inflação em alta, crescimento baixo e menor otimismo dos investidores internacionais em relação ao País -, o Brasil deve continuar atraindo operadores estrangeiros, na opinião do presidente da Bradesco Seguros, Marco Antonio Rossi.

"O interesse dos estrangeiros no mercado brasileiro de seguros não diminuiu. O que chama atenção no Brasil é o fato de ter 200 milhões de pessoas, das quais poucas têm seguros. Independente de qualquer movimento, existe uma necessidade de aquisição e uma oportunidade de ganhar espaço nesse mercado", avaliou em conversa com a imprensa nesta quinta-feira (13), após palestra em evento em São Paulo.

Quanto ao aumento de juros, que beneficia as seguradoras porque melhoram a rentabilidade de suas reservas, uma vez que são consideradas grandes investidoras do mercado financeiro, Rossi acredita que o benefício da queda da Selic, que forçou as companhias a serem mais eficientes, permanece em qualquer cenário. "O grande desafio da indústria de seguros continua sendo melhorar sua eficiência operacional", destacou.

Veja também: FGV apura investimento moderado de empresas este ano

Conforme Rossi, a melhor rentabilidade proporcionada pelos juros mais elevados é um movimento cíclico e não deve reduzir o esforço das companhias por eficiência. "No mundo dos seguros, a visão é de longo prazo. O pagamento de uma previdência, por exemplo, ocorre em 2040, 2050. Até lá, queda e alta de juros são movimentos naturais. O importante é estarmos alinhados no longo prazo."

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.