Tamanho do texto

No Fran's Café, gerido por compadres, executiva deve dividir gestão com primo de coração

Fran's Café: transição feminina à vista
Raphael Bate/Divulgação
Fran's Café: transição feminina à vista

Comandada por dois irmãos de sangue e um de coração, o Fran’s Café prepara-se para ter uma mulher no comando: Ana Gabriela Ribeiro Dezan, filha de Henrique Ribeiro, sócio da empresa, deve ter papel relevante numa transição que será, ao menos em parte, de pai para filha – uma tendência mais comum hoje, segundo observadores de empresas familiares consultados pelo iG .

“Todo mundo tem seu lado feminino e isso [ ter mulheres no comando ] equilibra mais a estrutura. Hoje se fala tanto em mulher por causa da presidente [ Dilma Rousseff ]...”, diz Ribeiro, que prefere não dar uma data para sua despedida da empresa. “A meta é [ estar preparado para sair ] hoje, mas o prazo é muito difícil. Pode ser amanhã, pode ser daqui a 15 anos, mas sabemos que não somos eternos.”

O Fran’s Café foi fundada em 1972 em Bauru, no interior paulista, por dois irmãos: José Roberto e Francisco Conte – o Fran que dá nome à rede. Ribeiro, um amigo de longa data, aderiu à empresa em 1988, quando foi aberta a primeira loja em São Paulo, no emblemático Edifício Itália, na região central da cidade.

Como a gestão familiar em dois núcleos, os Conte e os Ribeiro, vem dando certo – em 2012, a rede de 129 lojas atingiu R$ 100 milhões em faturamento – melhor é não mexer. Francisco, filho de Francisco, é o nome mais cotado para assumir empresa. Junto com Gabriela, uma das duas filhas de Ribeiro.

Hoje com 34 anos, Gabriela, responsável pelo RH do Fran’s Café, passou metade da vida dentro do negócio. Enquanto atuava em todas as funções – da limpeza à direção – formou-se, fez MBA, estudou línguas e prestou consultoria a outras empresas.

A executiva não sabe dizer ao certo se tanta dedicação à vida profissional é uma característica própria ou se é reflexo de ter sentido que a linha de partida delas fica um tanto atrás da deles.

“Fui estudar governança corporativa focada na empresa familiar. Não sei se é um jeito meu ou pelo fato de ser mulher. As meninas que trabalham comigo têm um perfil semelhante.”

'O filho espera cair no colo'

As mulheres vêm ampliando, ligeiramente, sua participação em posições de comando. Em 2002, elas respondiam por 33% dos trabalhadores ocupados em posição de dirigente no País, fatia que cresceu para 36% em 2011, segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (PNAD) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 

Presidente do Comitê de Sucessão Familiar da Câmara Americana de Comércio (Amcham) em Goiás, Cauê Silveira Campos se diz "impressionado" com o aumento da procura de mulheres por grupos que discutem a transição em negócios familiares.

Hoje, diz Campos, as mulheres já são maioria nas reuniões promovidas pelo comitê. E, geralmente, são mais bem formadas do que os homens.

Mariana Rassi, do Ramasa: 'depois acostumamos'
Arquivo pessoal
Mariana Rassi, do Ramasa: 'depois acostumamos'

“O filho geralmente espera que a empresa dos pais caia no colo. A filha se prepara mais para poder dizer ‘estou aí também’”, diz Campos. “E a mulher é mais ambiciosa, pois tem mais barreiras para vencer.”

Consultor de empresas familiares, Domingos Ricca também diz ter recebido mais clientes em que quem assume – ou vai assumir – o negócio é uma filha.

“Estou há 23 anos no ramo e não lembro de nenhum caso nos primeiros dez”, diz ele. “Nos últimos dois ou três, foram sete.”

Um traço marcante entre as sucessoras, diz o consultor, é o fato de já terem trabalhado em outras companhias.

“A maioria delas, para terem mais conhecimento e até mesmo por exigência dos pais, passa um período do lado de fora. Já os homens, não: se gostam, vão direto para a empresa familiar.”

‘Autoconfiança’

Aos 29 anos, Ana Flávia Abrão lidera desde 2006 o setor de armazenagem e, desde 2008, as concessionárias do Grupo Voar, de Goiás. Sua irmã, Alessandra, é responsável pelo braço de aviação. Ana diz que foi um dilema para o pai de quatro filhas.

“Meu pai se viu obrigado a se amarrar a um dos pilares: ou preservava os negócios e deixava de lado um pouco o machismo ou o contrário”, diz a executiva do Grupo Voar. “Ele optou pelos negócios. “

Antes de assumir o posto no Voar, a executiva teve dois empregos, um deles numa multinacional.

“Isso contribuiu para a minha autoconfiança pois, além de ser nova, tem a questão de ser mulher”, afirma Ana Flávia. “[ Trabalhar fora ] contribui, sim, mas não perante a sociedade e sim perante a gente mesmo”

Mariana Rassi e as irmãs também já haviam passado por empregos fora do Grupo Ramasa quando, em 2007, assumiram os segmentos de hotelaria, construção civil e concessionárias de veículos. Para os pais, elas estavam prontas. Mesmo assim, a integração numa empresa que já conheciam desde jovens foi um tanto truncada.

“Há aquele choque natural de gerações, mas também por ser mulher. Ainda mais que são setores dominados por homens, como concessionária de veículos e construtoras”, diz Mariana. “No começo a gente até fica um pouco... é diferente, depois a gente acostuma.”

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.