Tamanho do texto

Durante a apresentação de balanço do PAC 2, Holland destacou que o país registrou um dos maiores volumes de entrada de investimento estrangeiro, da ordem de US$ 65 bilhões anuais

Agência Estado

Brasil tem confiança dos investidores, diz secretário da Fazenda
Getty Images
Brasil tem confiança dos investidores, diz secretário da Fazenda

O secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Marcio Holland, disse nesta segunda-feira (10), durante apresentação de balanço do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2), que o Brasil tem a confiança dos investidores domésticos e globais. "Não se pode falar em investimento se não tivermos a confiança do investidor, e os últimos eventos deixam isso muito claro", afirmou.

Ele argumentou que o País teve a maior oferta de ações (IPO) do mundo neste ano, com o BB Seguridade, de R$ 11,4 bilhões, uma demanda três vezes maior que a oferta. Holland citou ainda o valor recorde de bônus de assinatura obtido durante a 11.ª rodada de licitações de petróleo e gás, de R$ 2,8 bilhões, e a captação da Petrobras no exterior.

Holland acrescentou que o Brasil registrou um dos maiores volumes de entrada de Investimento Estrangeiro Direto (IED), da ordem de US$ 65 bilhões anuais e destacou a demanda por títulos soberanos. "O governo fez uma emissão em maio que teve o menor spread da história da emissão desses títulos. Não se compram papéis e títulos se não se confia no País."

Desonerações

O secretário informou também que as desonerações de tributos federais devem somar R$ 72,1 bilhões em 2013 e R$ 91,5 bilhões em 2014. "A redução de despesas com pessoal e encargos, de juros sobre a dívida e do déficit da previdência fizeram com que tenhamos um espaço fiscal saudável para a economia, que temos usado para desonerações. Essa redução dos tributos tem ocorrido sobre investimentos e produção", avaliou.

Do total previsto de R$ 72,1 bilhões em desonerações este ano, 35,9% referem-se a investimentos, 35,1% a produção e 29% a demais segmentos da economia. Para 2014, da estimativa total de R$ 91,5 bilhões, a parcela referente a investimentos será maior, de 45,8%, enquanto 25,9% destinam-se à produção e 28,3% aos demais setores.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.