Tamanho do texto

Depois de lançar primeira franquia, marca busca parcerias com C&A, Renner e Riachuelo

Agência Estado

Porta-vela de cristal da Swarovski
Divulgação
Porta-vela de cristal da Swarovski

A Swarovski está reestruturando seus canais de vendas para crescer no mercado brasileiro. Depois de lançar sua primeira franquia no fim do ano passado, a marca negocia parcerias para vender seus cristais no Brasil em grandes redes de varejo de moda, como C&A, Lojas Renner e Riachuelo.

A empresa já vende seus produtos no exterior em lojas de departamento, como a mexicana Liverpool e a espanhola El Corte Inglés, e pretende replicar esse modelo no Brasil. A executiva Carla Assumpção, diretora-geral da divisão de produtos para o consumidor da Swarovski Brasil, confirma que a empresa negocia com grandes varejistas no País, mas não especificou quais redes foram procuradas pela empresa.

Veja também: 'Zara chinesa' procura oportunidade no Brasil

A meta é lançar o produto em uma rede de varejo no Brasil ainda este ano. "As grandes redes já usam moda assinada por estilistas famosos. Elas já perceberam que o consumidor é pautado por tendências", disse Carla, que classificou a Swarovski como uma marca "aspiracional" para o consumidor de classe média.

A empresa vem reformulando o seu portfólio para oferecer produtos mais acessíveis, sem deixar de atender os clientes que procuram joias de alto padrão. Segundo ela, há produtos de R$ 200 a R$ 6 mil nas lojas. As linhas para colecionadores ocupam outra faixa de preços e uma peça pode custar em torno de R$ 65 mil. "Temos produtos para o varejo de massa. O consumidor pode comprar um brinco, um anel, e pagar parcelado", explica Carla.

A austríaca Swarovski chegou ao Brasil há dez anos e tem 17 lojas próprias. A meta da empresa é ter entre 50 e 60 lojas no Brasil até 2016. Para isso, venderá em franquias, além de lojas próprias. A previsão é abrir quatro lojas próprias e outras oito franquias neste ano, em cidades como Santos, Sorocaba, Jundiaí, Recife, Natal e Niterói. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.