Tamanho do texto

Desocupação no país é de 27%; mais de 50% dos jovens está fora do mercado de trabalho

Reuters

Policiais vigiam esquina durante greve geral em Pamplona, na Espanha, no dia 30 de maio
Associated Press
Policiais vigiam esquina durante greve geral em Pamplona, na Espanha, no dia 30 de maio

Os dados de desemprego a serem divulgados na próxima semana na Espanha serão encorajadores, e o país atingido pela recessão econômica começou a virar a página, disse o primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy, neste sábado (1).

"Eu não estou contando vitória aqui, no entanto, eu recomendo que vocês prestem atenção nos números de desemprego e de previdência social na terça-feira, dia 4... Se os padrões que temos visto forem confirmados, serão claramente encorajadores", disse Rajoy em uma conferência econômica.

A atual taxa de desemprego da Espanha está em 27%, com mais da metade dos jovens abaixo de 25 anos fora do mercado de trabalho. Os economistas previram uma alta maior do desemprego neste ano devido a uma longa recessão que tem abalado o consumo e congelado contratações.

Veja também: Apesar dos pessimistas, Espanha se recupera, diz primeiro-ministro

Rajoy disse que a Espanha havia deixado o pior de sua crise para trás e que o desemprego estava diminuindo. Ele acrescentou que o governo de centro-direita esperava reduzir impostos logo que possível e que poderia diminuir o imposto sobre a renda em 2015.

Ele também repetiu um apelo à Europa para fazer mais para se mover rapidamente em direção à união fiscal e política necessária para acalmar os mercados financeiros e garantir o futuro do euro. "Nós não estamos crescendo porque a Europa não está crescendo", disse Rajoy.

Protestos contra a "troika", grupo formado pelo Fundo Monetário Internacional, o Banco Central Europeu e a União Europeia e que tem socorrido países com dificuldades na zona do euro, estavam planejados em vários países neste sábado (1).

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.