Tamanho do texto

Para órgão regulador da França, homem mais rico do país adotou 'conduta fraudulenta'

Reuters

Loja da Louis Vuitton: dono é multado em US$ 13 mi
Getty Images
Loja da Louis Vuitton: dono é multado em US$ 13 mi

A batalha entre franceses fabricantes de bolsas de luxo chegou aos olhos do público na sexta-feira (31) depois que reguladores de mercado aplicaram multa máxima para o proprietário da Louis Vuitton LVMH por não divulgar seus movimentos de aumento de participação na rival Hermès.

As discussões se referem a operações, divulgadas pela primeira vez no final de 2010, pelo proprietário da LVMH e homem mais rico da França, Bernard Arnault, que deixou a empresa com uma participação de cerca de um quinto em seu maior rival, o produtor da icônica Kelly e bolsas Birkin.

Arnault, que construiu a LVMH pela constante aquisição de outras marcas ao longo da última década, diz que está feliz por continuar a ser um acionista de longo prazo. Mas alguns observadores da indústria dizem que ele pode estar sendo um jogador de longo prazo, na esperança de um dia convencer proprietários da família Hermès a vender participações.

Proprietários da Hermès, no entanto, lutaram com unhas e dentes contra Arnault desde que descobriram que a LVMH havia construído uma participação de 14% na empresa.

'Conduta fraudulenta'

O regulador AMF disse nesta sexta-feira (31) que negociações da LVMH sobre a construção de participação na Hermès eram nebulosas e representaram uma falta grave, que poderia até mesmo ser considerada como "conduta fraudulenta".

A LVMH, que detém agora 22,6% de Hermès, surpreendeu o mercado de ações em outubro de 2010, quando anunciou que tinha uma participação de 14%, adquirida em parte através de derivativos que lhe permitiram não declarar a sua participação.

O regulador disse que a LVMH deveria ter revelado nas suas contas o tamanho de sua exposição na Hermes através de derivativos de ações adquiridas em 2008, bem como o fato de que tinha uma participação na Hermès de pouco menos de 5 por cento adquiridos em 2001 e 2002.

Na França, as empresas são obrigadas a divulgar quando atingem uma participação de valor superior a 5, 10 e 15% do capital de uma outra empresa, se a empresa-alvo está listada na bolsa de valores.

A Hermès também está lutando contra a construção de participação pela LVMH em um processo judicial em separado. A descoberta da AMF não terá qualquer impacto sobre o processo judicial, mas ainda representa um impulso para o caso da Hermes.

O valor da multa, 10 milhões de euros (US$ 13,05 milhões), é pouco para um grupo cujo valor de mercado é de cerca de 70 bilhões de euros, mas a decisão do regulador é um revés nas relações públicas para Arnault, dono de cerca de 60 marcas de luxo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.