Tamanho do texto

Negócio é 1º passo da redução da fatia do empresário; próximo é oferta pública de ações

Participação de Eike na MPX cai para menos de 1/3
Getty Images
Participação de Eike na MPX cai para menos de 1/3

Eike Batista concluiu a venda de 24,5% da MPX, braço de energia do grupo EBX, para a alemã E.ON. O valor da transação foi de R$ 1,415 bilhão, mas pode checar a R$ 1,557 bilhão conforme um mecanismo de ajuste previsto no contrato. 

O acordo havia sido fechado em março.

Com a compra, o empresário, que detinha 54% da MPX, deixa de ser o acionista majoritário e passa a deter 29% da empresa. A E.ON, que detinha 11,7%, agora tem uma fatia de 36,2%. Outros 34,8% são compostos de ações livremente negociadas no mercado – o free float.

Leia também: Governo exige mudança em projeto da MPX

A conclusão do negócio, nesta quarta-feira (29), abre caminho para uma oferta pública pelo preço de R$ 10 por ação, que deve ser anunciada "em breve", segundo comunicado emitido pela companhia. A MPX pretende captar R$ 1,2 bilhão no mercado. A E.ON se comprometeu a entrar com pelo menos R$ 366,7 milhões desse valor.

Em seguida à oferta pública, será feita a incorporação da joint venture   MPX E.ON, um braço da MPX dividido em duas partes iguais por MPX e E.ON.

Quando todo o processo estiver concluído, Eike pasará a deter 23,7% das ações e a E.ON, 36,1%. Os 40,2% restantes serão negociados livremente no mercado.

"O fortalecimento trazido pela E.ON irá transformar a MPX em uma empresa ainda mais eficiente e diferenciada, contribuindo para ampliar sua participação no mercado brasileiro”, disse Eike, em comunicado.