Tamanho do texto

Antonio Ramatis Rodrigues foi eleito em meio a disputa entre família Klein e Abilio Diniz

O diretor-presidente da Via Varejo, Antonio Ramatis Rodrigues, renunciou ao cargo nesta quinta-feira (23), seis meses depois de ter assumido o posto, informou a unidade de móveis, eletrodomésticos e vendas online do Grupo Pão de Açúcar (GPA).

A renúncia  foi motivada por divergências de estratégia e interferências em seu trabalho pelo acionista controlador da empresa de eletroeletrônicos, o Grupo Pão de Açúcar.

"Não tenho concordado com a orientação que se pretende adotar em relação a determinados assuntos da companhia. Também não posso concordar com interferências que tenho recebido no exercício de minha função por parte de executivos do Grupo (Pão de Açúcar)", segundo trecho da carta de renúncia do executivo obtida pela agência Reuters.

Via Varejo: 572 lojas Casas Bahia e 396 Ponto Frio
Divulgação
Via Varejo: 572 lojas Casas Bahia e 396 Ponto Frio

Ramatis Rodrigues não detalhou na carta quais eram as divergências ou interferências, acrescentando que também teve a decisão de sair influenciada pelo fato de não ter recebido "o pagamento referente ao plano de stock option (opções de ações) relativo ao exercício de 2012, o que evidencia um tratamento discriminatório".

Ramatis, diretor-executivo do GPA, havia sido eleito para a posição em novembro de 2012, em substituição a Raphael Klein, que ocupava o cargo desde a associação entre Casas Bahia e Pão de Açúcar em 2010. 

 A entrada de Ramatis havia sido comemorada por Diniz, que vinha em disputa com a família Klein —sócia minoritária da Via Varejo. Além do executivo, compõem a diretoria executiva da Via Varejo Jorge Fernando Herzog e Andelaney Carvalho dos Santos, que já pertenceram ao Pão de Açúcar.

“Depois de muita insistência no ano passado — já tinha tempo que eu falava que tínhamos que tomar a Viavarejo —, a empresa passou para nossas mãos em novembro”, disse Diniz durante teleconferência com analistas na divulgação dos resultados de 2012, em fevereiro.

No aviso da renúncia de Ramatis, ocorrida em meio a uma reunião do conselho de administração da Via Varejo, não foram informados um substituto e os motivos da saída do executivo.

No curto período à frente da companhia, Ramatis acumulou alguns louros, como o aumento de 569,2% no lucro líquido no 1º trimestre de 2013 em comparação com o mesmo período de 2012, para R$ 99 milhões. A despesas operacionais totais representaram 22,1% da receita líquida de vendas, 0,7 ponto percentual a menos que os 22,8% de 2012.

Auditoria 

Às 11h25, as ações preferenciais do Pão de Açúcar exibiam queda de 1,3%, enquanto o Ibovespa tinha baixa de 1,2%.

Mais cedo, a Via Varejo informou que a KPMG concluiu relatório de registros contábeis da companhia entre junho de 2010 e abril de 2012.

O levantamento foi pedido à empresa de auditoria no ano passado em meio a dúvidas da família Klein sobre inconsistências nos balanços da Globex, dona do Ponto Frio. Os dados da Globex foram usados para definição do valor atribuído à empresa no processo de fusão com a Casas Bahia.

Segundo a assessoria de imprensa da Via Varejo, a reunião do conselho da empresa continua nesta quinta-feira (23).

Oferta pública à vista

A família Klein, que detém 47% da Via Varejo, anunciou no dia 13 de maio que venderá cerca de 1/3 da sua participação no grupo. A medida foi anunciada dias depois de rumores de que os Klein planejavam, na verdade, adquirir a totalidade da companhia.

Caso o negócio seja concretizado, a parcela de ações da Via Varejo negociada livremente no mercado – o free float – vai saltar de 0,6% para 17%. Além disso, o acordo de acionistas prevê que a Via Varejo faça uma deverá fazer uma oferta pública de ações.

A Via Varejo não informou se a saída de Rodrigues pode afetar o processo.

Em 2012, o lucro líquido da Via Varejo foi de R$ 322 milhões.

* com informações da Agência Reuters

Notícia em atualização