Tamanho do texto

Ministro disse que embora 2012 tenha sido um ano difícil, foi um ano de grandes realizações, de reformas estruturais, mas que não surtem efeito imediato

Agência Estado

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse nesta quarta-feira que existe a possibilidade de a economia brasileira crescer de 4% a 4,5% em 2013. Segundo ele, as projeções do mercado vão de 3% a 4%. "Fico contente que a projeção mais pessimista é de 3%. Eu prefiro ficar com a estimativa de 4%, que é um bom número para 2013", disse. O ministro, no entanto, evitou fazer projeção para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) para 2012. "2012 já foi. Não vamos olhar para trás", disse. Mantega participou nesta quarta-feira de um café da manhã com jornalistas.

Ano difícil

O ministro Mantega fez, no entanto, um balanço do desempenho da economia em 2012 e traçou projeções para 2013. Durante um café da manhã com jornalistas, o ministro disse que 2012 foi "um ano de batalha" e que não teve a trajetória econômica que o governo esperava. "Não só nós, toda a torcida do Corinthians e do Palmeiras", afirmou. Segundo ele, embora 2012 tenha sido um ano difícil, foi um ano de grandes realizações, de reformas estruturais, mas que não surtem efeito imediato.

LeiaBrasil perde posto de 6ª maior economia do mundo

"Não traz a felicidade imediata", ressaltou. Ele observou, no entanto, que não foi só o Brasil que não conseguiu a taxa de crescimento desejada. Falou que o mundo desacelerou, destacando a situação da China.

Reformas

Segundo o ministro, o lado positivo de 2012 para o Brasil foram as reformas estruturais. Ele disse que o País vivia uma distorção com juros, cambial e tributária. "O Brasil convivia com essas três grandes distorções que causam danos também para o governo que paga um serviço elevado da dívida".

TambémSão Paulo e Rio perdem espaço no PIB nacional

Mantega disse que o Brasil pagou, no ano passado, 5,8% do Produto Interno Bruto (PIB) em serviço da dívida e estimou que isso cairá para 4,6%, este ano, e ficará em torno de 4,4% em 2013. Segundo ele, nenhum País do mundo tem um pagamento tão grande do serviço da dívida. "Ninguém aguenta. O Brasil tinha essas distorções gêmeas. O Brasil vive com a carga tributária alta para pagar a dívida e o Brasil precisa de um superávit de 3% do PIB, também para pagar a dívida", afirmou.

Carga tributária

Mantega disse que as distorções gêmeas ao longo deste ano foram juros e carga tributária elevada. "É quase um milagre o que fizemos nestes últimos anos". Estamos eliminando essas distorções e temos de olhar a repercussão dessas mudanças". O ministro destacou que o País nunca teve juros reais como os atuais, de 1,7%. "É uma maravilha!". O ministro lembrou também que o governo promoveu desonerações tributárias de R$ 45 bilhões, este ano. "Tudo que deixamos de pagar de juros vamos reduzir em tributos", disse. Ele falou ainda que o País vive um momento de transição, de forte estímulo ao investimento e à produção.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.