Tamanho do texto

Trump Towers, chamada de "maior centro empresarial do País", terá cinco torres na região portuária da capital fluminense

As cinco torres terão 38 andares e alto padrão, num terreno de 32 mil m2: vendas podem chegar a R$ 3 bilhões
Divulgação
As cinco torres terão 38 andares e alto padrão, num terreno de 32 mil m2: vendas podem chegar a R$ 3 bilhões

O empresário e apresentador americano Donald Trump anunciou na manhã desta terça-feira (18) a construção de seu primeiro projeto no Brasil, a Trump Towers. O empreendimento ficará na zona portuária do Rio de Janeiro e será, de acordo com os responsáveis, o maior centro empresarial do Brasil. Os cinco prédios serão erguidos pela construtora Even e pela incorporadora MRP International.

A cerimônia de anúncio, feita na capital fluminense, contou com a presença do prefeito Eduardo Paes, além de Alberto Silva, presidente da Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto do Rio de Janeiro, e Donald Trump Jr, filho do empresário.

Trump, por vídeo:
Getty Images
Trump, por vídeo: "Irei ao Rio para as Olimpíadas, mas principalmente para ver a Trump Towers"

"Estarei na cidade para ver os Jogos Olímpicos e outros eventos, mas, principalmente, eu irei para ver a Trump Towers, que será um incrível sucesso e um bonito trabalho", disse, através de vídeo, Donald Trump, que apresenta o programa "O Aprendiz", na rede NBC.

- Veja também: novos megaprédios mudam a cara de avenidas empresariais de SP

Os cinco prédios terão 38 andares e área construída total de 322 mil m2. As torres, de alto padrão, ficarão na região do Porto Maravilha, projeto que revitaliza um espaço historicamente degradado da cidade. O empreendimento vai ocupar um terreno de 32 mil m2 na Avenida Francisco Bicalho.

Alinhados lado a lado, com os topos inclinados e situados a frente das águas da região portuária (veja na foto acima), os blocos lembram o Parque da Cidade, empreendimento que é construído pela Odebrecht em São Paulo

Os construtores afirmam que o total investido não pode ser revelado, nem a participação da Caixa, parceira no projeto, por confidencialidade do contrato. Mas, segundo os responsáveis, um cálculo conservador apontaria que o empreendimento tem potencial para gerar R$ 3 bilhões, naquilo que o mercado chama de "valor global de vendas".

As primeiras duas torres devem começar a ser construídas no segundo semestre de 2013 e as outras três serão erguidas conforme a demanda. As duas torres iniciais só começarão a ser vendidas após todas as licenças serem obtidas para a construção.

"Temos a visão de que o Porto Maravilha fará nascer o novo centro empresarial do Rio", disse Stefan Ivanov, presidente-executivo da MRP. "Não há espaço para escritórios no centro do Rio. Há espaço na Barra, que fica a 25km, e aqui no Porto, que é do lado do Centro", afirmou.

"O Porto Maravilha é uma transformação que acontece no Rio, como vimos áreas serem transformada em Londres, Bilbao e Buenos Aires", disse Carlos Terepins, presidente da Even, construtora que tem grande presença em São Paulo e agora expande a marca para o Rio.

- Mais: preço de imóveis no RJ e em SP subiu mais que principais aplicações

Para a Caixa, que faz investimentos e financia melhorias estruturais da região, o projeto será uma "âncora" na nova zona portuária. "Nós acreditamos no projeto e ficamos felizes em fechar o ano com mais essa parceria", disse Flávio Arakaki, superintendente nacional de fundos da Caixa.

O prefeito do Rio de Janeiro agradeceu Donald Trump por "acreditar na cidade do Rio" e destacou o tamanho do investimento. "Significa que essa marca fortíssima está apostando na cidade, não apenas até os Jogos Olímpicos, mas por um longo tempo", afirmou. "Esse é provavelmente o maior investimento imobiliário da história da cidade, excluíndo a Barra da Tijuca", disse o prefeito.

"Sentimos que a marca tem um longo caminho aqui. Estamos muito empolgados com o mercado brasileiro e com as parcerias que fizemos", disse Donald Trump Jr, filho do empresário, que representa o grupo no projeto e esteve na apresentação no Rio.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.