Tamanho do texto

Unidade, que entra em operação em 2017, produzirá de 600 a 800 vagões de trem por ano

De olho na diversificação da produção, o Grupo Randon vai investir R$ 500 milhões em uma nova fábrica de vagões no país. Será a primeira unidade de produção desse equipamento fora de Caxias de Sul, cidade natal da empresa. A nova unidade será instalada em Araraquara, no interior de São Paulo. “Na primeira fase do projeto vamos transferir parte da nossa produção para São Paulo. A ideia é no futuro concentrar toda a montagem de vagões na fábrica paulista”, disse o presidente do Grupo Randon, David Randon, filho do fundador, Raul Randon.

Segundo ele, os investimentos e o início da implantação física do projeto serão realizados após a obtenção de licenças, enquadramentos fiscais e tributários, e da adequação da infraestrutura local, conforme previsto nos documentos assinados nesta data.“Todo esse processo deve durar um ano. A estimativa é que a fábrica entre em operação em 2017. Lá teremos a capacidade para produzir entre 600 a 800 vagões. Com isso, nossa capacidade produtiva passará para 2 mil equipamentos por ano”, afirmou o executivo.

Hoje a Randon responde por 1/3 das vendas de vagões no país. Neste ano, de acordo com a expectativa da Abifer, entidade que reúne os fabricantes de vagões, devem ser comercializados este ano cerca de 4,5 mil equipamentos. “A partir do início das operações queremos deter, pelo menos, 50% do volume vendido no país. E esse volume não é somente em novos projetos ferroviários que devem sair do papel, mas também a renovação de frota dos equipamentos por parte das concessionárias brasileiras. Aliás, a nossa grande aposta é justamente esses pedidos”, disse Randon.

E para atender essa demanda é preciso estar perto do mercado. Essa foi uma das razões pela escolha de Araraquara. O município é um polo ferroviário e canavieiro e conta com uma precondição de infraestrutura adequada, como a questão logística, com acesso ferroviário e rodoviário, além da disponibilidade de mão de obra.

“Vamos nos instalar ao lado de uma linha ferroviária. Isso nos dará um ganho enorme de competitividade. Para se ter uma ideia, o custo logístico para trazer os vagões de Caxias do Sul até São Paulo, gira em torno de R$ 5 mil a R$ 6 mil”, ressaltou o executivo.

A nova fábrica poderá produzir ainda semirreboques específicos para o segmento de cana-de-açúcar. Em função disso, Araraquara também levou vantagens. A cidade está em uma região onde se concentra a maior parte de canaviais do país. Atualmente, a Randon é fornecedora e detém 70% da produção de semirreboques canavieiros, fabricando-os no Rio Grande do Sul, estado que não possui safra representativa deste cultivo.

“Para o segmento de cana-de-açúcar ainda não temos uma expectativa de produção na nova unidade. Tudo vai depender do mercado nos próximos anos. Mas, é importante ressaltar que a intenção é transferir também para essa unidade toda a montagem desse tipo de equipamento”, afirmou Randon.

A fábrica implementos de Araraquara será a quarta do Grupo fora de Caxias do Sul. Além de São Paulo e Santa Catarina, a Randon mantém uma unidade na Argentina. “Temos que ter essa flexibilidade para competir tanto no Brasil, como no mundo.”

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.