Tamanho do texto

Declaração é feita após reunião com presidente da França, François Hollande, que repetiu que o país pretende oferecer cooperação caso a escolha seja pelo Dassault Rafale

Agência Estado

O Brasil deve retomar o processo de escolha dos novos caças para as Forças Armadas assim que a economia voltar a crescer mais rapidamente. A informação foi dada nesta terça-feira (11) pela própria presidenta Dilma Rousseff após reunião com o presidente francês, François Hollande. "Esperamos que o Brasil volte a crescer nos próximos meses de forma que o assunto volte à nossa pauta de prioridades", disse, ao lado de Hollande.

- Para Dilma, PIB trimestral de 0,6% é "significativo"

Presidenta Dilma Rousseff e o presidente da França, François Hollande, durante cerimonia de troca de condecoraçoes no Palácio Eliseu
Roberto Stuckert Filho/PR
Presidenta Dilma Rousseff e o presidente da França, François Hollande, durante cerimonia de troca de condecoraçoes no Palácio Eliseu

"Adiamos, de fato, a escolha pelos caças. Isso pode levar algum tempo. Isso depende da recuperação (da economia)", disse Dilma. "Essa discussão se desenrolou em 2009 e 2010. Mas diante do aguçamento da crise, o governo brasileiro recuou de uma decisão imediata. E nós, agora, temos visto um aumento do processo de diminuição e estagnação dos rendimentos que nós obtemos para nossas receitas. Isso nos leva a ter extrema cautela ao ter gastos além daqueles que nosso País precisa para sair da crise, como a desoneração e o investimento em infraestrutura", disse.

- Pesquisa aponta brasileiros menos eufóricos com rumos do país

A França é um dos concorrentes na disputa da compra bilionária que o Brasil planeja fazer e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sinalizou preferência pela opção francesa Rafale em detrimento das opções dos Estados Unidos e Suécia. Ao lado de Dilma, o presidente francês François Hollande repetiu que o país pretende oferecer cooperação com o Brasil caso a escolha seja pela França. "Já temos contratos com submarinos, helicópteros e na área espacial. Sempre dissemos que vai haver transferência de tecnologia", disse.

O presidente francês, porém, lembrou que o Brasil tem "liberdade" para fazer a escolha que quiser e no tempo que quiser. "O Brasil tem liberdade para fazer quando e como. Conheço as características do Rafale e acho que não vale a pena repetir o que acho. Não faço nenhuma proclamação aqui. Cabe ao Brasil decidir", disse.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.