Tamanho do texto

Ministro afirma que o Brasil tem pela frente o desafio de continuar crescendo, enquanto a maioria das economias está em recessão ou desacelerando suas atividades

Agência Estado

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse nesta terça-feira, em audiência pública na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado, que a mudança do ICMS interestadual é uma necessidade importante para o País. "Ela vai abrir caminho para a melhoria de uma estrutura tributária e possibilitar o aumento dos negócios, investimentos e crescimento dos vários Estados", disse.

"Desoneração de 1% do PIB não é pouca coisa"
Agência Brasil
"Desoneração de 1% do PIB não é pouca coisa"

Segundo o ministro, esta necessidade é ainda maior tendo em vista que o mundo está diante de uma crise internacional, que ainda não foi resolvida e que interfere em todas as economias, mesmo as mais saudáveis. Como exemplo, ele citou as economias asiáticas, salientando que a crise reduz o crescimento de países como a Índia e a China. "Atinge em maior e menor medida a todos, e também atingiu o Brasil, com um certa desaceleração", comentou.

Mantega destacou que o Brasil tem pela frente o desafio de continuar crescendo, enquanto a maioria das economias está em recessão ou desacelerando suas atividades, acrescentando ser fundamental a desoneração tributária, que este ano vai alcançar R$ 45 bilhões. "Não é pouca coisa. É relativa a 1% do PIB. É um forte estímulo aos investimentos", afirmou.

Ele lembrou que o governo também fará a redução do custo da energia, em média, em 20%. "O Brasil é um dos países que tem as mais altas taxas de energia do mundo. O governo, sem mexer em contratos, fez uma proposta que vai resultar na redução da tarifa. Toda sociedade mais se beneficiar desta medida que entra em vigor em fevereiro", afirmou.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.