Tamanho do texto

Soma das riquezas produzidas no País atingiu R$ 1,1 trilhão no período de julho a setembro, de acordo com o IBGE; resultado surpreendeu negativamente o mercado, que projetava um crescimento entre 1% e 1,2%

O Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro registrou um crescimento de 0,6%, com ajuste sazonal, no terceiro trimestre do ano em relação ao trimestre anterior, segundo dados divulgados nesta sexta-feira, 30, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). De julho a setembro, a soma das riquezas produzidas no País chegou a R$ 1,1 trilhão.

Mantega diz que País cresceu à taxa anualizada de 4%

Crise continuará a atrapalhar PIB brasileiro em 2013, dizem economistas

Brasil perde recursos para Chile, Peru e Colômbia, diz diretor da BlackRock

PIB dos EUA cresce 2,7% no 3º trimestre com forte aumento de estoques

País deve ter o pior crescimento desde governo Collor

Serviços ficaram estagnados no terceiro trimestre de 2012

No acumulado dos 12 últimos meses terminados em setembro de 2012, a expansão foi de 0,9% em relação aos quatro trimestres imediatamente anteriores. Já o acumulado nos três primeiros trimestres de 2012 foi de 0,7% em relação à igual período de 2011.

Entre as atividades econômicas, destacou-se a agropecuária, que cresceu 2,5%, seguida da indústria (1,1%). Os serviços tiveram variação nula. De acordo com a economista do IBGE, Rebeca Palis, a estagnação dos serviços está diretamente relacionada ao desempenho da atividade de intermediação financeira e seguros, que registrou desaceleração de 1,3%. Esta é a maior queda desse serviço desde a crise econômica de 2008. À época, intermediação financeira e seguros caiu 2,9% no quarto trimestre de 2008, na comparação com o terceiro trimestre de 2008.

“Contribuíram para este resultado negativo a inadimplência recorde, que aumenta a provisão para devedores duvidosos, e a queda do spread e da própria taxa Selic”, afirma Rebeca.

Na comparação com o terceiro trimestre de 2011, o PIB cresceu 0,9% e dentre as atividades econômicas destacaram-se o aumento da agropecuária (3,6%) e dos serviços (1,4%). A indústria caiu 0,9%. Isso se explica, em volume, pelas quedas do valor adicionado da extrativista mineral (-2,8%) e da indústria de transformação (-1,8%). A indústria de transformação sofreu, principalmente, a redução da produção de máquinas e equipamentos.

Variação do PIB

Desempenho trimestral da economia brasileira

Gerando gráfico...
Fonte: IBGE Fonte: IBGE * Comparação com o desempenho no trimestre imediatamente anterior

O resultado, apesar de apresentar um desempenho ligeiramente melhor em relação ao trimestre anterior, quando houve alta de 0,2%, surpreendeu negativamente o mercado, que projetava um crescimento entre 1% e 1,2%.

Presidente da Canepa Asset Management, Alexandre Póvoa acredita que o “rebote da economia não está sendo tão forte quanto se esperava”. Segundo ele, é nítido o esforço do governo para reduzir custos de produção e incentivar investimentos, com medidas como a desoneração da folha de pagamentos. No entanto, ele avalia que essas ações não são suficientes para impulsionar o crescimento da economia.

“O ideal seria reduzir a carga tributária de maneira ampla. Mas, para isso, é fundamental reduzir os custos do governo, o que dificilmente acontecerá”, diz o presidente da Canepa.

Pesquisador do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV), Samuel Pessoa avalia que as medidas de incentivo à retomada da atividade industrial e dos investimentos não foram consistentes. Pare ele, 2012 será mais um ano de “pibinho”, a exemplo do que se verificou em 2011. Segundo o pesquisador, o Ibre projeta um PIB de 0,7% no quarto trimestre e de 1,3% para 2012.

“O governo abaixa um imposto aqui, aumenta outro ali, reduz o IPI de quem grita mais e corta tarifas sem deixar claro quais são os critérios de decisão. Essa incerteza não contribui para a retomada dos investimentos”, afirma.

Crise internacional

Pessoa questiona ainda a justificativa dada pelo governo de que a economia brasileira cresce menos em função do cenário internacional. “O governo alega que o baixo crescimento é fruto da crise econômica internacional, o que não tem o menor fundamento. Basta observar outras economias em desenvolvimento como Peru, Chile, Colômbia e até México. Esses países também registraram uma redução da atividade econômica nos últimos dois anos, mas em patamar muito inferior ao verificado no Brasil”, destaca.

Segundo o pesquisador, nos oito anos do governo FHC e também nos oito anos em que o presidente Lula esteve no poder, o Brasil cresceu tanto quanto a América Latina. “Mas, nos últimos dois anos, o que se tem visto, é que o País está ficando para trás. Não por acaso, estamos perdendo investimentos até para Colômbia e Peru”, avalia Pessoa.

Na comparação do terceiro trimestre de 2012 com o terceiro trimestre de 2011, o Brasil acumula um crescimento de 0,9%. Já a China acumulou um PIB de 7,4% no mesmo período, seguida por Índia (5,3%), Rússia (2,9%) e África do Sul (2,3%).

Setores

Em relação ao segundo trimestre de 2012, a indústria cresceu 1,1%. O crescimento do setor foi puxado pela indústria de transformação, que cresceu 1,5%, e pela construção civil (0,3%). As outras atividades registraram desaceleração: extrativa mineral (-0,4%) e eletricidade e gás, água, esgoto e limpeza urbana (-0,5%).

Já entre serviços, registraram crescimento os serviços de informação (0,5%), comércio (0,4%), atividades imobiliárias e aluguel (0,4%) e outros serviços (0,3%). Administração, saúde e educação pública (0,1%) e transporte, armazenagem e correio (-0,1%) seguiram estáveis. Intermediação financeira e seguros registrou queda de 1,3%.

As despesas de consumo das famílias cresceu 0,9%, enquanto que a despesa de consumo da administração pública permaneceu estável (0,1%). Já a formação bruta de capital fixo apresentou sua quinta variação negativa consecutiva, com queda de 2%. Em relação ao setor externo, exportações de bens e serviços variaram positivamente em 0,2%, enquanto as importações caíram 6,5%.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.