Tamanho do texto

Economistas analisam desaquecimento drástico no Cone Sul e os motores do crescimento das 'estrelas' da região, como Peru e Panamá

Após um período de crescimento acelerado, a América Latina fechará o ano dividida. Em média, as economias da região devem crescer 3,2% em 2012 segundo o FMI, menos que os 4,5% de 2011, mas uma expansão ainda "sólida" na visão do fundo. Tal média, porém, oculta situações bastante díspares, como uma recessão no Paraguai (de -1,5%) e um crescimento "chinês" no Panamá (de 8,5%).

"Ela esconde o fato de que esse foi um ano em que há duas histórias para serem contadas sobre a América Latina: uma, dos países que cresceram acima ou em linha com seu potencial, outra dos que cresceram abaixo", acredita Luis Oganes, especialista em América Latina do banco JP Morgan.

No primeiro grupo estão as economias que continuaram crescendo rapidamente (ainda que tenham desacelerado um pouco) como Peru, Chile, Colômbia, México e Bolívia - além do Panamá.

No outro, principalmente os países do Mercosul - além do Paraguai, o Brasil, a Argentina e o Uruguai - em que a freada foi mais drástica. "O Brasil, acabou puxando a média regional para baixo por representar 45% do PIB nominal da região”, diz Oganes.

Para o FMI, foi um ano de "perspectivas e desafios diferentes" em cada um dos países da região.

Mas o que explica essa diferença?

A BBC Brasil entrevistou analistas e economistas para entender o que impulsionou as economias-estrela da região em 2012 e o que levou o Cone Sul – em especial o Brasil – a ficar para trás dos vizinhos.

Pânico

Para Ignacio Munyo, do Centro de Estudos da Realidade Econômica e Social, no Uruguai, parte da explicação está ligada ao "pânico" que tomou os mercados globais no segundo semestre de 2011, com o agravamento da crise europeia.

Em um estudo para a Brookings Institution, Munyo e alguns colegas defendem que três aspectos definiram a capacidade dos países ganharem ou perderem em termos econômicos no cenário criado pela crise.

"Esse foi um ano em que há duas histórias para serem contadas sobre a América Latina: uma, dos países que cresceram acima ou em linha com seu potencial, outra dos que cresceram abaixo" Luis Oganes, JP Morgan

Primeiro, exportadores de commodities acabaram se saindo melhor por causa da valorização desses produtos. Segundo, aqueles que dependiam menos de "economias avançadas" (EUA e Europa) - seja em termos comerciais, seja por não serem destino de remessas de imigrantes - também teriam prosperado mais.

Finalmente, países mais inseridos nos fluxos financeiros globais teriam recebido mais investimentos quando oportunidades de negócios nas economias tradicionais minguaram.

"Com o pânico que tomou conta dos mercados a partir de meados de 2011, porém, os investidores fugiram até dos emergentes, procurando ativos seguros como títulos dos EUA e ouro. Isso mudou um pouco as regras do jogo e fez com que políticas específicas adotadas em cada país para estimular os investimentos passassem a fazer uma grande diferença", defende.

A pressão teria sido particularmente intensa em países que estavam crescendo muito, como o Brasil e a Argentina. "Na Argentina, uma crise de confiança doméstica ganhou força, exacerbada pelas medidas heterodoxas adotadas pelo governo", diz Munyo, referindo-se ao polêmico sistema de controle de câmbio aprovado por Buenos Aires.

No Brasil, esse "pânico" dos mercados teria criado dificuldades adicionais em um momento em que o país via esgotar sua capacidade instalada e precisava lidar com problemas ligados a gargalos de infraestrutura.

Oganes acrescenta que justo nesse momento o Brasil também estava implementando medidas recessivas para conter a inflação. O resultado foi uma freada brusca, que teria tido impacto em países do Mercosul.

Sucessos

A alta das commodities continuaria explicando parcialmente muitos dos "sucessos" da região, segundo os analistas.

O Peru, por exemplo, deve crescer 6% este ano (FMI), beneficiando-se dos preços historicamente altos dos minérios, embora sua expansão também seja atribuída a fatores como o fortalecimento de seu mercado interno e seus alto níveis de investimentos privados.

A recuperação do petróleo venezuelano teria ajudado a Venezuela a crescer 5,7% este ano ao aliviar os cofres do governo local. "Foi um crescimento impulsionado pelos gastos públicos em um ano de eleição", diz Neil Shearing, da consultoria Capital Economics.

É claro que há muita divergência nas análises sobre as causas dos sucessos e fracassos latino-americanos.

Sem ignorar os fatores externos, o economista chileno Andrés Solimano, presidente do Centro Internacional para Globalização e Desenvolvimento, por exemplo, enfatiza a importância das políticas adotadas em cada país para estimular investimentos, ampliar mercados consumidores e dar competitividade à indústria local (criação de infraestrutura, melhorias no sistema tributário, etc).

Em um estudo divulgado neste mês, o Banco Mundial aponta um crescimento de 50% na classe média da região e atribui o avanço - que resulta em mercados internos mais sólidos - também a políticas de redução da pobreza.

Para Solimano, porém, mesmo os países que continuam a crescer aceleradamente estão longe de ter feito todas as reformas que lhes garantiriam estabilidade no longo prazo: "Os índices de expansão do PIB podem ser diferentes, mas ainda há desafios comuns. Faltam mais investimentos em educação, medidas para reduzir a desigualdade de renda e para ampliar a sofisticação das estruturas produtivas da região."

Abaixo, entenda caso a caso, por que, na visão dos analistas, alguns países continuam crescendo rapidamente, enquanto outros pisaram no freio:

Panamá

Em 2012 o Panamá deve crescer 8,5% (FMI), depois de ter crescido 10,6% em 2011 e 7,6% em 2010. Além disso, desde 2006, a pobreza no país caiu de 38% para 26%.

Segundo Oganes, esse crescimento é impulsionado por um boom no setor de construção e o efeito multiplicativo dos investimentos massivos feitos na expansão do movimentado canal que liga o Oceano Atlântico ao Pacífico.

O país assumiu a responsabilidade pelo canal (que antes era dos EUA) em 2000 e passou a reinvestir os recursos obtidos com sua administração internamente. Só a expansão do canal está custando US$ 5,2 bilhões.

Além disso, o governo está investindo em outras obras de infraestrutura - como linhas de metrô ou serviços de comunicação e energia.

Para completar, por ser um paraíso fiscal e ter uma economia dolarizada o Panamá tem atraído um grande fluxo de recursos, consolidando-se como um importante centro financeiro da região.

Peru

A previsão do FMI é que o Peru cresça 6% este ano, liderando o ranking das maiores expansões sul-americanas. Desde 2005, o país só não cresceu mais de 6% em 2009.

Entre os fatores que têm favorecido a economia peruana estão os preços historicamente altos dos minérios, que representam 63% do total exportado pelo país.

Também ajuda o fato que, dentro dessa categoria, a pauta de produção peruana é variada, incluindo ouro, cobre, zinco e prata. Frequentemente, uma alta do ouro compensa uma baixa do cobre, como explica Oganes.

O país tem níveis de investimentos altos se comparados com os vizinhos. Lá a taxa é de 25% do PIB, contra 18% do Brasil, por exemplo. E no Peru, 80% dos investimentos são privados.

Vários acordos de livre comércio assinados nos últimos anos também ajudariam a atrair investimentos de fora.

Para completar, um crescimento vigoroso da classe média peruana teria impulsionado seu mercado interno. Há planos para dobrar o numero de shopping centers no país em dois anos, por exemplo.

México

O México teria crescido 3,8% neste ano segundo o FMI. Seu crescimento seria mais baixo que o da maior parte dos países andinos, mas como o país tem uma economia maior e mais diversificada, acabou substituindo o Brasil como a menina dos olhos dos investidores estrangeiros.

A taxa de câmbio é uma das mais atrativas para os investidores e o mercado interno tem crescido de forma vigorosa, segundo analistas.

Além disso, o país não só está se beneficiando da recuperação da economia americana para manter o nível de suas exportações, mas também tem conseguido ampliar sua fatia de mercado nos EUA.

Para Oganes, em parte isso ocorre em função dos aumentos dos salários na China, que têm reduzido o diferencial entre a mão de obra chinesa e a mexicana.

O resultado é que não só as exportações mexicanas se tornaram mais atrativas, mas o México passou a atrair investimentos para o setor manufaturado que iriam para a China.

Paraguai

Com uma retração de 1,5% no PIB, o Paraguai teria o pior desempenho em 2012 entre os latino-americanos segundo o FMI.

Para se ter uma ideia do tombo que esse índice representará se confirmado, basta lembrar que em 2010 o Paraguai foi o país que mais cresceu na região, tendo uma expansão de mais de 15%.

A retração ocorre em um momento em que o Paraguai está politicamente isolado do Mercosul e da Unasul, mas é atribuída a duas outras causas por analistas.

Primeiro, a seca do fim de 2011 e início de 2012, que fez a produção e exportação de soja do país cair pela metade.

Segundo, a suspensão das exportações de carne paraguaias para vários países, após a detecção de febre aftosa no gado local.

Tentando reverter a recessão, o Banco Central paraguaio já anunciou uma expansão dos gastos em infraestrutura. Ele também prevê uma “supersafra” de soja para 2013.

O FMI espera que o Paraguai se expanda 11% neste ano.

Brasil

Construção do estádio de Manaus para Copa: desafio de retomar o crescimento

Já em 2011 o Brasil deu sinais de que poderia deixar de ser a estrela dos investidores ao passar de um crescimento de 7,5% para 2,5%. Em 2012, voltaria a decepcionar, segundo o FMI, com estimados 1,5%.

Munyo ressalta que a indústria brasileira parece ter chegado ao limite de sua capacidade instalada e há um importante déficit de infraestrutura a ser suprido.

Os baixos índices de investimento na indústria são apontados como uma das causas da desaceleração.

"O problema foi que o consumo interno continuou a crescer mas a produção foi freada", opina Neil Shearing.

"Até recentemente, a política de juros altos parece ter sido um grande freio para investimentos e a economia nos últimos anos", diz Solimano.

Para 2014, tanto o FMI quanto o JP Morgan esperam uma recuperação do país, com um crescimento de 4% (que faria o Brasil ultrapassar o México).

Os pacotes de estímulos, as obras da Copa e Olimpíadas e a queda dos juros contribuíriam para a retomada.

Argentina

A Argentina havia crescido 8,9% no ano passado, mas este ano ficaria com uma média de 2,6% segundo o FMI.

De acordo com Shearing, entre os motivos da desaceleração estariam as estritas medidas de controle de capitais e câmbio adotadas pelo governo da presidente Cristina Kirchner.

Agora, toda aquisição de divisas feita no país precisa da aprovação do Fisco – o que dificulta as importações e até as viagens internacionais dos argentinos.

"Ao contrário do que ocorre com o Brasil, na Argentina há sérias dúvidas sobre se haverá uma retomada do crescimento pela crise de confiança interna que se produziu como consequência das medidas adotadas pelo governo”, opina Munyo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.