Tamanho do texto

Extra, Ponto Frio, Submarino, Americanas.com, Wal-Mart, Saraiva e Fast Shop têm até a próxima sexta-feira para se explicar ao órgão de defesa do consumidor

O Procon de São Paulo notificou as grandes empresas que participam da Black Friday – Extra (lojas física e virtual), Ponto Frio, Submarino, Americanas.com, Wal-Mart, Saraiva e Fast Shop – por indícios de maquiagem nos descontos , com base em denúncias de consumidores ao órgão e em redes sociais. As empresas têm até a próxima sexta-feira, 30 de novembro, para encaminhar uma resposta à entidade.

Veja mais:
Black Friday tira do ar diversas ofertas por maquiagem de preço
"Black Friday só vai funcionar quando varejistas mudarem", diz organizador 

Alguns produtos que participaram da promoção teriam inflado preços nas últimas semanas, para anunciar que tinham "descontos" nesta sexta-feira. Segundo o Procon, tal prática é ilegal. Mais cedo, a assessoria do Busca Descontos informou que Pedro Eugênio, dono do site Busca Descontos, organizador do evento, ficou bastante chateado com o fato e retirou "diversas ofertas" do ar , sem precisar o número.

O Busca Descontos também será notificado para que apresente explicações sobre problemas que o consumidor teve ao não conseguir o acesso em alguns links de ofertas e sites de lojas.

Por meio de sua assessoria de imprensa, a Fast Shop informou que "entregará a documentação que comprova os descontos questionados nos produtos durante o Golden Friday no prazo determinado pelo Procon”.

Problemas desde o início

As queixas de consumidores começaram desde a largada da promoção, à 0 hora desta sexta-feira. O Busca Descontos apresentou problemas de servidor e ficou fora do ar . O problema se repetiu nos próprios sites das lojas, que também não suportaram o pico de acessos. Os problemas causaram diversas queixas de usuários nas redes sociais .

Defeitos e prazo para entrega

O diretor executivo do Procon-SP, Paulo Arthur Góes, explica que a venda de produtos e serviços, seja em lojas físicas ou online, deve seguir as determinações do Código de Defesa do Consumidor (CDC). "O prazo de devolução da compra feita pela internet é de até sete dias. O negócio pode ser cancelado neste intervalo de tempo seja qual for o valor cobrado", afirma Góes.

Se o produto for entregue com defeito, explica o diretor executivo, a loja virtual tem 30 dias para solucionar o problema; caso contrário, o consumidor pode escolher entre receber uma mercadoria nova ou ser reembolsado.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.