Tamanho do texto

Governo da Província de Mendoza assinou acordo com operadoras de turismo do Brasil para promover a região repleta de vinícolas

Marcia Carmo

De Buenos Aires para a BBC Brasil

De olho na expansão dos gastos da chamada classe C, produtores e importadores de vinho argentino vêm intensificando as campanhas de incentivo ao consumo da bebida junto à essa camada da população no Brasil.

Recentemente, o governo da Província de Mendoza assinou acordo com 12 operadoras de turismo do Brasil para promover a região repleta de vinícolas e paisagens nevadas.

O secretário de Turismo de Mendoza, Javier Espina, contou à BBC Brasil que a campanha promocional inclui shoppings, restaurantes e aeroportos brasileiros.

"Hoje, recebemos turistas brasileiros que se hospedam principalmente nos hotéis de quatro e cinco estrelas e buscam passeios nas vinícolas e para esquiar na estação de Las Leñas. Com o avanço da economia brasileira, temos a oportunidade de atrair mais turistas deste segmento e também a classe que ascendeu economicamente no país", afirmou.

Segundo ele, no ano passado cerca de 80 mil turistas brasileiros visitaram a região.

"Sabemos que agora temos uma enorme oportunidade de atrair um perfil mais amplo desses viajantes. Os brasileiros que chegam à Argentina buscam geralmente Buenos Aires e neve (na Patagônia). Mendoza tem neve perto da cidade e pode interessar a esses novos turistas brasileiros", acrescentou.

Mais lojas

O crescimento da classe média brasileira também propiciou a expansão de lojas especializadas em vinhos da Argentina, antes limitadas ao Rio e a São Paulo, para outras regiões do Brasil.

A empresa argentina Grand Cru foi uma delas. Nos últimos dez anos, a companhia abriu estabelecimentos comerciais em Estados do Norte e do Nordeste brasileiro, como Piauí, Maranhão, Ceará e Bahia.

Um dos representantes da empresa disse que o Brasil é hoje seu maior mercado, o que seria “difícil de pensar” décadas atrás.

Segundo Juan José Canay, presidente da entidade Bodegas de Argentina, câmara que reúne 260 produtoras de vinhos, o consumo da bebida está ligado, entre outros fatores, à mudança social.

"Na medida em que as pessoas sobem de patamar de renda, passam a tomar mais vinho", disse Canay.

"O vinho passou a fazer parte da mesa brasileira e observamos esta presença com os copos para a bebida nos restaurantes do Rio de Janeiro e de São Paulo, por exemplo. O que antes não havia", acrescentou.

Canay explica que, em 2009, o Brasil passou a Inglaterra e ocupa desde então o terceiro lugar entre os maiores destinos das exportações argentinas de vinho, logo depois dos Estados Unidos e do Canadá.

"Entendo que o maior consumo está ligado ao surgimento da classe C e igualmente ao aumento da renda per capita no Brasil", disse.

Qualidade

Ele ressaltou que, simultaneamente, "a cada ano" os brasileiros estão comprando vinhos de "melhor qualidade" e "mais caros", num sinal de que vêm apreciando a bebida.

"No ano passado, nossas exportações de vinhos para o mercado brasileiro aumentaram 1% (na comparação com 2010). Mas em termos de valores (da garrafa) este aumento foi de 18%", afirmou.

Em 2011, as exportações argentinas de vinho para o Brasil somaram US$ 63 milhões (R$ 126 milhões) ou 2 milhões de caixas de vinhos. "Mas está claro que com o crescimento da economia brasileira e com a inclusão de novos consumidores, as vendas tendem a aumentar e estamos atentos a este movimento", afirmou.

Canay disse que atualmente as exportações estão sendo feitas em menor ritmo devido às barreiras burocráticas (chamadas licenças não automáticas) que atrasam o desembarque das mercadorias argentinas.

O vinho argentino representa 25% do mercado brasileiro. Já o chileno responde por 36% deste mercado, mas, de acordo com a assessoria de imprensa da entidade ‘Vinos de Chile’ (Vinhos do Chile) até o momento o setor exporta principalmente vinhos com preços de médio a alto e não existem dados sobre iniciativas especificas para os novos consumidores brasileiros.

Disputa

No Brasil, uma disputa entre produtores de vinho e donos de restaurante gerou um impasse em outubro. Produtores locais haviam pedido salvaguardas aos vinhos nacionais como uma maneira de promovê-los, o que gerou protestos de varejistas, importadores e proprietários de restaurantes.

Após muitas discussões, houve um acordo pelo qual os supermercados se comprometeram a dar maior espaço em suas prateleiras aos vinhos nacionais. Já as importadoras prometeram aumentar a quantidade de vinhos brasileiros em seus catálogos.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.