Tamanho do texto

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse nesta segunda-feira que as mudanças não têm grande impacto sobre a Selic, a taxa básica de juros da economia

Agência Estado

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse, nesta segunda-feira, que as mudanças feitas nos depósitos compulsórios bancários não têm grande impacto sobre a Selic, a taxa básica de juros da economia. Mantega, que participou do evento do Sindicato da Indústria Naval (Sinaval), no Rio de Janeiro, afirmou que o que tem mais impacto sobre a Selic é se está havendo cumprimento da meta de inflação.

Veja também:  Banco Central faz alterações sobre dedução do compulsório

Na última quinta-feira (08), o Banco Central anunciou mudanças nas regras de dedução do recolhimento de depósitos compulsórios a prazo. Foram alterados os critérios que definem o tipo de instituição cuja venda de carteiras de crédito pode ser deduzida do recolhimento feito pelos grandes bancos. Pela nova regra, a compra de carteira pelos grandes bancos pode ser deduzida se a instituição vendedora tiver 20% do passivo em depósitos a prazo e também em letras financeiras. A regra anterior não previa a inclusão de letras financeiras dentro deste critério.

Após dois anos, o BC também atualizou o valor do patrimônio de referência dessas instituições vendedoras, que passou de R$ 2,2 bilhões para R$ 3,5 bilhões. Foi mantida a norma que determina que esses bancos vendedores devem ter 20% dos ativos relacionados a operações de crédito.

Veja também:  Depósito compulsório cai em dois meses com mudança de regras

No evento desta segunda-feira, o ministro disse ainda que o investimento fica "mais reticente" em momentos de crise e, por isso, são necessários estímulos para tornar a economia mais atraente. Ele lembrou que o governo está reduzindo custos para a indústria, elevando a oferta de crédito, entre outras medidas para estimular a economia.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.