Tamanho do texto

Presidente da casa afirma que plenário vai debater a questão a partir de quarta-feira, mesmo com oposição das bancadas fluminense e capixaba

Agência Estado

O presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), disse nesta segunda-feira que manterá na pauta desta semana a votação do projeto que muda a distribuição dos recursos de royalties da exploração de petróleo. A previsão é que a Casa comece a apreciar a matéria na quarta-feira. Maia está montando ainda uma pauta de votações até o final do ano, na qual está incluída a proposta que acaba com o fator previdenciário.

Sobre a votação dos royalties, o presidente destacou que antes é preciso votar a Medida Provisória que oferece benefícios a Estados e municípios que pagarem dívidas com a União relativas ao Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep). Mas afirmou que após aprovada essa MP o plenário vai debater a questão dos royalties mesmo com a oposição das bancadas fluminense e capixaba, que representam os dois Estados que mais produzem petróleo.

"A única possibilidade da matéria dos royalties não estar na pauta é se a Medida Provisória não for votada. Passado isso, se não houver acordo e alguém quiser mais prazo terá de fazer a discussão em plenário. Vou levar a matéria a votação independente de acordo", disse Maia.

Ele afirmou que o texto do relator, deputado Carlos Zarattini (PT-SP), atende aos outros 25 Estados e garante que o Rio de Janeiro e o Espírito Santo não perderiam receita em relação ao que obtiveram em 2011. "O Rio de Janeiro e o Espírito Santo não terão perdas de arrecadação, a não ser a perda de uma projeção de arrecadação. Insistir nesse discurso não é razoável", afirmou. "Precisamos garantir que não haja perda para RJ e ES e dividir o resto para todos. Defender algo fora disso é radicalismo", ressaltou. Maia destacou que a matéria já está na Casa há um ano, após aprovação no Senado.

O presidente da Câmara afirmou que deverá pautar ainda neste ano o projeto que trata do fim do fator previdenciário, método de cálculo que acaba por reduzir benefícios de aposentados. Ele ressaltou ser desafio do Congresso encontrar uma forma de acabar com o fator sem criar um rombo na Previdência. Observou ainda a necessidade de se chegar a uma proposta que não venha a ser vetada posteriormente pela presidente Dilma Rousseff. "A intenção não é apenas aprovar o fim do fator, mas dar um basta nessa discussão e finalizar uma proposta acordada entre governo e trabalhadores", disse o petista.

Entre as propostas que pretende pautar até o final do ano, citou o Código Brasileiro da Aeronáutica, o Código de Processo Civil e o marco civil da internet. Em relação aos projetos que acabam com o voto aberto para cassação de mandatos, que extinguem os 14º e 15º salários para congressistas e que reduzem a jornada de trabalho para 40 horas semanais, disse não acreditar que haja tempo hábil para apreciar os temas ainda em 2012.

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.