Tamanho do texto

Primeiro-ministro, de partido conservador, convocou ministros neste sábado para buscar acordo sobre novas medidas de austeridade

EFE

O primeiro-ministro grego, o conservador Antonis Samaras, convocou neste sábado em caráter de urgência os responsáveis pelos ministérios afetados pelas novas medidas de austeridade para tentar pactuar antes de segunda-feira o novo pacote de cortes, segundo a imprensa local.

O Executivo quer apresentar na segunda-feira ao grupo de Trabalho do Eurogrupo em Bruxelas o acordo e iniciar sua tramitação parlamentar na próxima semana, apesar da oposição dos dois partidos progressistas da coalizão governamental ao fato das medidas serem acompanhadas de uma reforma trabalhista.

Segundo o portal de notícias "in.gr", o governo e os três partidos da coalizão (o conservador Nova Democracia, o social-democrata Pasok e o de centro-esquerda Dimar) estão em constante comunicação e espera-se que amanhã possam fechar um acordo. A posição mais dura é do Dimar, que exige que as medidas de flexibilização do trabalho sejam retiradas ou adiadas.

Outra proposta do Dimar é desvincular os cortes da reforma para que o partido possa apoiar apenas os ajustes no orçamento. Já no Pasok, parte dos seus integrantes mantém reservas em relação às exigências sobre o mercado de trabalho da troika, formada pelo Fundo Monetário Internacional, Banco Central Europeu e Comissão Europeia.

"Esta obsessão inexplicável não pode ser justificada a menos que a troika pretenda nos levar a um panorama trabalhista que nada tem a ver com o contexto europeu. Faremos todo o possível até o último minuto para melhorar estas medidas", afirmou na sexta-feira Filippos Sajinidis, negociador do Pasok.

O Conselho da Europa, uma instituição multilateral independente da União Europeia, julgou uma série de aspectos das reformas trabalhistas auspiciadas pela troika ilegal. No entanto, as decisões do órgão não são vinculativas. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.