Tamanho do texto

No acumulado de janeiro a setembro deste ano, a arrecadação acumula alta de 1,19%, informou secretário do Fisco nesta sexta-feira

Agência Estado

O secretário da Receita Federal, Carlos Alberto Barreto, afirmou nesta sexta-feira que a arrecadação deve registrar crescimento real de 1,5% neste ano. A previsão anterior era de alta entre 1,5% e 2%.

"A essa altura, já estamos falando em algo mais próximo de 1,5%", afirmou. No acumulado de janeiro a setembro deste ano, a arrecadação acumula alta de 1,19%. Segundo o secretário, a Receita Federal divulgará o resultado da carga tributária na primeira quinzena de novembro.

Segundo Barreto, os indicadores de atividade mais recentes já mostram um cenário melhor da economia, o que deve impactar a arrecadação, apesar das desonerações feitas pelo governo. Citando dados de setembro, na comparação com o mesmo período do ano passado, ele enfatizou a alta da venda de bens e serviços (15,70%) e da massa salarial (13,66%) e a menor queda da produção industrial (-1,95%).

MaisArrecadação da Receita tem queda de 1% em setembro

"Vemos uma menor queda em uns indicadores e aumento em outros", considerou. Barreto afirmou que, para recuperar a atividade econômica, foi necessário estimular o consumo. "A desoneração ajudou na manutenção da atividade econômica e as perdas específicas de arrecadação foram compensadas pela alta de outras receitas", defendeu. De acordo com o secretário, um exemplo claro é o do setor automotivo, que recebeu incentivos até o fim deste ano e possui peso relevante no Produto Interno Bruto (PIB).

De acordo com ele, a atividade industrial tem respondido melhor provavelmente em função da desonerações que o governo concedeu. "As desonerações, como a do IPI, e o estímulo à competitividade fizeram com que o consumo fosse maior ou mantivesse o mesmo nível, sustentando a atividade econômica", argumentou. Isso, conforme o secretário, fez com que a arrecadação não fosse menor no período. "A desoneração ajudou na manutenção da atividade econômica, como o aumento do PIS e da Cofins. Há perdas específicas em tributos, mas se mantém a arrecadação de outras."

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.