Tamanho do texto

Segundo economistas, cenário inflacionário brasileiro é "delicado" e os índices devem ficar pressionados até meados do ano que vem

Agência Estado

Economistas consideram o cenário inflacionário brasileiro "delicado" e acreditam que os índices ficarão pressionados até meados do ano que vem. Em junho de 2013, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), a medida oficial de inflação, pode acumular alta de 6% em 12 meses, preveem. Até o mês passado, o indicador tinha aumentado 5,28% em 12 meses.

"A inflação vai se acelerar até o primeiro semestre de 2013", prevê a economista da Rosenberg Consultores, Priscila Godoy. Essa também é a avaliação de Fábio Romão, economista da LCA Consultores. Romão calcula que, depois do pico de 6% atingido em junho de 2013, o IPCA em 12 meses perderá o fôlego no segundo semestre e fechará o ano que vem em 5,1%.

LeiaInflação medida pelo IPC-Fipe tem alta de 0,68% na primeira prévia de outubro

Isso porque a forte pressão exercida pelos alimentos no primeiro trimestre deste ano, quando a alta chegou a 2,15% no período, vai sair da conta do IPCA acumulado em 12 meses. "A inflação vai incomodar até meados de 2013, mas é preciso qualificar essa alta", diz o economista. Boa parte dessa elevação, na sua avaliação, é choque de oferta, provocado pela subida nos preços das commodities.

"Não se trata de choque de demanda", diz Romão. Ele argumenta que dificilmente os preços dos produtos agrícolas vão repetir o cenário de restrição de oferta, provocado pela seca nos Estados Unidos e excesso de chuvas no Brasil, como ocorreu este ano. Fabio Silveira, sócio da RC Consultores, projeta crescimento da inflação medida pelo IPCA nos próximos meses em razão do choque agrícola que ainda não foi totalmente absorvido pelos índices de preços ao consumidor.

MaisInflação medida pelo IPC-S acelera em seis capitais na primeira prévia do mês

Porém, observa que essa pressão de preços das commodities já começou a enfraquecer nas cotações do atacado. "A inflação de setembro foi fruto essencialmente da alta de preço agrícola no atacado ocorrida em julho. A inflação de dezembro será fruto essencialmente da baixa de preço agrícola no atacado que ocorre hoje", diz Silveira. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo .

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.