Tamanho do texto

Para a classe C, a preferência pelas viagens de automóvel avançou de 19% para 26%. Nas classes A e B o carro foi preferido por 66% (contra 55% no ano passado)

A opção pelo carro como meio de transporte nas viagens cresceu este ano para os brasileiros de todas as classes sociais, mostra pesquisa nacional feita pela Federação do Comércio do Estado do Rio de Janeiro (Fecomércio-RJ), em parceria com o Instituto Ipsos, com mil pessoas de 70 cidades brasileiras, incluindo nove regiões metropolitanas.

A pesquisa mostra, entretanto, que houve queda no percentual de brasileiros que viajaram ou têm intenção de viajar este ano de 32% para 29%. Na classe C, 25% têm intenção de viajar. Já nas classes A e B, esse número sobe para 46%.

Para a classe C, a preferência pelas viagens de carro avançou de 19% para 26%. Nas classes A e B o carro foi preferido por 66% (contra 55% no ano passado), enquanto nas classes D e E as viagens de carro cresceram de 4% para 12%.

O economista Christian Travassos, da Fecomércio-RJ, disse hoje (9) à Agência Brasil que desde a crise financeira internacional do final de 2008 e início de 2009, o governo promoveu isenções do Imposto sobre Produto Industrializado (IPI) para estimular o consumo. “No caso de veículos, isso foi uma estratégia recorrente”, acentuou, lembrando que esse tipo de financiamento não é quitado de uma hora para outra.

Travassos disse que em 2012, o poder aquisitivo das famílias foi menor que em 2011 e 2010, embora o consumo se mantenha como carro chefe da economia. Nesse cenário, “nada mais prudente que você juntar o útil ao agradável. Você financia um carro, aproveita aquele bem para fazer uma viagem mais em conta e economiza no transporte”.

A retração na intenção de viajar para os brasileiros em geral ocorreu, segundo o economista, em função de um orçamento mais apertado em 2012, “dentro da prudência de economizar no lazer, tendo em vista o grau de comprometimento da renda com financiamentos e contas mais elevadas este ano”. Nesse quadro, o economista avaliou que é natural que os consumidores “tenham um pé no freio com o lazer e prefiram utilizar o carro como meio de transporte”.

De acordo com a pesquisa, está crescendo também a opção dos brasileiros em viajar dentro do país, priorizando as viagens dentro do próprio estado (59%) ou fora do estado de origem( 42%), com destaque, entre as motivações, para férias (48%) e visitas a parentes (44%).

“O brasileiro em geral divide as viagens entre dois principais motivos: lazer ou visita a parentes e amigos. Bem adiante você vê negócios como uma opção bem menor”. Motivos profissionais são apontados por 7% dos brasileiros. “Com o maior comprometimento da renda com compromissos já assumidos, ficou relativamente mais vantajoso viajar próximo de casa”.

Em relação à infraestrutura turística, a questão da segurança foi apontada como o item que mais precisa melhorar. Em uma escala de 0 a 10, segurança recebeu a menor nota (4,6), enquanto os itens mais bem avaliados foram hotéis (7) e bares e restaurantes (6,7).