Tamanho do texto

Movimento aconteceu entre dezembro de 2011 e 30 de junho deste ano. Segundo a Autoridade Bancária Europeia, o objetivo foi se protegerem de eventuais futuras crises

AFP

Os bancos europeus se recapitalizaram em mais de 200 bilhões de euros entre dezembro de 2011 e 30 de junho de 2012, para se protegerem de eventuais futuras crises, disse nesta quarta-feira a Autoridade Bancária Europeia (EBA) em seu relatório final sobre recapitalização.

Leia também:  Deutsche Bank deve ser o mais impactado por nova norma europeia

A injeção de capital de mais de 200 bilhões de euros (R$ 516 bilhões) corresponde a 71 bancos e inclui 116 bilhões de euros das 27 entidades que não cumpriram o novo requisito de um nível mínimo de capital de máxima resistência de 9% imposto em dezembro de 2011, disse a EBA em seu relatório final sobre recapitalização."Os bancos europeus fizeram progressos significativos para aumentar suas posições de capital e fortalecer a resistência global do sistema bancário europeu", disse o presidente da EBA, Andrea Enria. "Com este exercício de recapitalização e outras medidas corretivas impulsionadas pela União Europeia, mais de 200 bilhões de euros foram injetados no sistema bancário", acrescentou em um comunicado.

A quantia de mais de 200 bilhões de euros leva em conta uma mostra mais ampla dos bancos europeus. A EBA fixou, em dezembro, as necessidades de recapitalização dos bancos em 114,7 bilhões de euros, que tinham até 30 de junho para aumentar em 9% seu capital de máxima resistência ("Core Tier 1"). Em um relatório preliminar publicado em julho, foi anunciado que a maioria dos bancos europeus cumpria no final de junho com os novos requisitos de recapitalização fixados em dezembro.

Leia mais:  FMI está pronto para ajudar a Espanha, diz Lagarde

Esta soma inclui também as injeções de capital recebidas pelos bancos gregos e pelo banco espanhol nacionalizado Bankia - cujo caso a EBA trata separadamente devido ao importante processo de reestruturação no qual está inserido -, em meio ao programa de ajuda financeira do Fundo Europeu de Estabilidade Financeira (FEEF). Os outros quatro grandes bancos espanhóis - Santander, BBVA, La Caixa e Banco Popular - superaram as condições impostas pela EBA.

"O resultado do exercício mostra que a posição de capital das quatro entidades espanholas participantes tem sido reforçado de forma significativa, ficando todas elas acima do mínimo imposto na Recomendação da EBA", disse o Banco da Espanha em um comunicado separado.

Leia ainda:  Economista-chefe do FMI prevê que crise vai durar até 2018

Segundo a EBA, o fortalecimento do capital dos bancos europeus foi feito principalmente através de investimentos privados, apesar de algumas entidades que não conseguiram chegar ao nível requerido terem recorrido à ajuda estatal ou internacional. A EBA havia fixado em dezembro em 114,700 bilhões de euros as necessidades de recapitalização dos bancos europeus e lhes deu até 30 de junho para elevar a 9% seu nível de capital de máxima resistência ("Core Tier 1").

O patamar é maior que o 7% imposto pelo acordo de Basileia III, que deve entrar em vigor progressivamente a partir de 2013. "Os bancos estão agora na melhor forma para financiar a economia real, mas devem continuar no caminho desenhado pelo novo entorno regulatório", disse Andrea Enria no comunicado.

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.