Tamanho do texto

Executivas de Nova York não largam computador e celular nem durante sessões de tratamento de beleza

NYT

Por Ayren Jackson-Cannady

Neda Armian, de 42 anos, é produtora de filmes independentes e vive em Manhattan. Ela geralmente faz reuniões durante o almoço, enquanto lê e-mails e roteiros. "Alguns dias por semana, trabalho até tarde por conta da diferença de horário com Los Angeles", afirmou. "Isso faz parte da rotina."

Neda Armian trabalha durante sessão de escova
NYT
Neda Armian trabalha durante sessão de escova

Mas é melhor pensar duas vezes antes de imaginar que ela é uma workaholic desleixada, com a maquiagem borrada, unhas descascadas e com um lápis segurando o cabelo armado e com raízes aparentes.

"Para mim, a forma como me visto sugere o que gosto nos filmes que faço, além de demonstrar que estou bem e antenada com a cultura atual", afirmou Armian, cujos cabelos brilhantes e castanhos possuem um corte assimétrico na altura dos ombros.

Graças à criação de serviços como o salão de beleza móvel Antonio Prieto Select, que Armian utiliza para manter os cabelos cortados e escovados, mulheres (e homens) de negócios estão integrando os cuidados pessoais a suas agendas apertadas.

"As mulheres urbanas são tão ocupadas com o trabalho, a família e a vida, que fica difícil encontrarem algumas horas para irem ao cabeleireiro, em um momento que seja apropriado tanto para a cliente quanto para o cabeleireiro", afirmou Antonio Prieto, proprietário de um salão fixo em Chelsea, explicando porque começou o serviço de salão móvel. A equipe é formada por cabeleireiros e maquiadores freelance escolhidos a dedo e que, segundo ele, visitam clientes em locais como a Corcoran, o Google, o banco Crédit Suisse e o Metropolitan Museum of Art.

"A conveniência é um artigo de luxo nos dias de hoje", afirmou Prieto. 

Mas é preciso pagar o preço para receber o salão de beleza no escritório: uma escova no Prieto Select custa 150 dólares (no salão, custa entre 65 e 70 dólares), penteados especiais ficam por 200 dólares (ao invés dos 95 do salão) e a maquiagem custa 200 dólares (ao invés de 125).

Para manter os custos de acordo com as médias da cidade de Nova York, a Manicube – que presta serviços de manicure para clientes na Bain & Company, Ogilvy & Mather e Seyfarth Shaw – inclui produtos de secagem rápida (que geralmente custam dois dólares a mais em algumas manicures), para que o serviço não passe de 15 minutos. A Manicube afirmou que doa um dólar de cada serviço para a Kiva, uma organização de microempréstimos que ajuda pequenos empreendedores.

Elizabeth Whitman e Katerina Mountanos, que já trabalharam com a BeautyBar.com, fundaram a empresa em julho. "Sentimos na pele a dificuldade de ir à manicure quando se é uma mulher de negócios", afirmou Whitman. "Precisávamos correr durante o almoço, sair às pressas antes que o salão da esquina fechasse, ou gastar uma hora de folga no sábado para fazermos as unhas."
"Além disso", afirmou, "antes e depois da faculdade, trabalhamos na indústria financeira e sabíamos que os escritórios corporativos ofereciam há anos serviços voltados para homens, tais como engraxates e barbeiros e, então, pensamos: porque não oferecer serviços para facilitar a vida das mulheres?"

A empresária é otimista quanto às perspectivas da empresa em outras cidades. "O mercado de Nova York é um dos mais difíceis para o modelo da Manicube, já que existem milhares de salões nas ruas da cidade", afirmou Whitman. "Mas há uma clara diferença nos serviços prestados por essas manicures – tanto na conveniência quando na qualidade."

Meryl Rosen, de 31 anos, é conselheira geral assistente do site de vendas Gilt Group e cliente da Manicube. Assim como a produtora Armian, ela tem uma agenda apertada, repleta de reuniões, conference calls e preparação de documentos. "Com minha agenda apertada, não tenho tempo para ir à manicure fora do escritório durante a semana", acrescentou Rosen. "Normalmente, eu fazia as unhas no domingo à noite, em um salão perto de casa."

Manicube oferece manicures no ambiente de trabalho
NYT
Manicube oferece manicures no ambiente de trabalho


Agora, ela agenda e paga por uma sessão da Manicube diretamente pela internet, reservando um horário e recebendo a confirmação por e-mail, juntamente com um arquivo para acrescentar em sua agenda virtual. A empresa oferece 80 tipos de esmalte e entre os mais populares estão o Ballet Slipper, da Essie, o Cajun Shrimp, da OPI, e o Particulière, da Chanel.

"O esquema é montado para que não haja falhas e para que seja um serviço relaxante e agradável", afirmou Whitman. Ainda que se possa compreender que uma empresa do setor da moda, como a Gilt, seja tolerante com esse tipo de intervalo, nem todas as empresas aceitam que os funcionários façam tratamentos de beleza durante o expediente, e nem todos se sentem confortáveis em fazer mais do que tirar a base da bolsa. (Se pudermos utilizar relatos isolados como referência, alguns funcionários se sentem incomodados até mesmo em receber as massagens rápidas que são oferecidas por algumas empresas como agrados no local de trabalho).

Para as beldades mais discretas, agora existe o LeMetric Mobile Hair and Beauty Studio.
Elline Surianello, que é dona do LeMetric Hair Center em Midtown desde 1987, comprou recentemente uma Mercedes-Benz Sprinter e a transformou em um salão de beleza móvel, que oferece escovas e cortes na frente do escritório, como um carrinho de cachorro-quente.

"Tempo e conveniência estão entre os principais fatores para as mulheres, portanto, é fundamental que tenhamos disponibilidade para chegar aos clientes que não conseguem ir a nosso salão em Midtown", afirmou Surianello, que sonha em cair na estrada. "Um dia, espero poder atravessar os Estados Unidos no salão sobre rodas."

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.