Tamanho do texto

Pior seca em 50 anos fez com que PIB revisado, ao contrário das expectativas, caísse fortemente, puxando para baixo também a expectativa de crescimento industrial

Reuters

WASHINGTON, 27 Set (Reuters) - O crescimento econômico dos Estados Unidos no segundo trimestre ficou muito mais fraco do que o estimado anteriormente uma vez que a seca reduziu os estoques, abrindo caminho para uma performance muito mais lenta no atual trimestre diante de um cenário de desaceleração da atividade industrial.

Leia também:  Seca se agrava nos EUA e Brasil vai se tornar maior produtor de soja do mundo

O Produto Interno Bruto (PIB) expandiu a uma taxa anual de 1,3%, ritmo mais lento desde o terceiro trimestre de 2011 e abaixo da previsão do mês passado de 1,7%, informou o Departamento do Comércio em sua estimativa final nesta quinta-feira.

A produção também foi revisada para baixo para refletir taxas mais fracas de gastos do consumidor e de empresas do que estimado anteriormente.

Economistas consultados pela Reuters esperavam que o crescimento do PIB no segundo trimestre não tivesse revisão e permanecesse em 1,7%. A economia cresceu a uma taxa de 2,0% no período entre janeiro e março.

Leia ainda:  Estrago causado pela seca nos EUA ainda não foi incorporado aos preços, diz Itaú

A pior seca em meio século, que afetou grandes partes do país no verão, fez com que os estoques dos produtores agrícolas caíssem US$ 5,3 bilhões no segundo trimestre depois de recuarem US$ 1 bilhão nos três primeiros meses do ano.

Os dados para o terceiro trimestre sugerem pouca melhora no ritmo de crescimento, mesmo que o mercado imobiliário saia de um recuo de seis anos. A manufatura, pilar da recuperação da recessão de 2007/09, está esfriando, afetada por temores de uma política fiscal mais apertada nos EUA em janeiro e pela desaceleração da demanda global.

Reportagem: No Oeste do Paraná, preço recorde da soja significa picapes zero para uns e falência de empresas familiares para outros

O relatório do PIB também mostrou que os lucros corporativos após taxas subiu inesperadamente a uma taxa de 2,2% em vez do aumento reportado anteriormente de 1,1%. Os lucros após taxas haviam caído 8,6% no primeiro trimestre.

(Reportagem de Lucia Mutikani)