Tamanho do texto

"O Brasil está no final da fila. É verdade, tomamos algumas medidas (comerciais), mas perdemos de longe da maioria dos países," afirmou o ministro da Fazenda

Agência Estado

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, qualificou de "absurda" a crítica do governo dos Estados Unidos em relação ao protecionismo brasileiro. Falando em Londres durante a Cúpula de Mercados de Alto Crescimento promovida pela revista Economist Mantega insistiu em que o Brasil chega a adotar número menor de barreiras comparado aos EUA, à Alemanha e ao Reino Unido.

"O Brasil está no final da fila. É verdade, tomamos algumas medidas (comerciais), mas perdemos de longe da maioria dos países", disse o ministro.

Leia mais:  EUA pedem que Brasil não eleve tarifas, Itamaraty rebate

Na quinta-feira (20), o governo americano enviou uma carta ao Brasil protestando contra as barreiras comerciais adotadas por Brasília. Mantega ainda garantiu que o governo brasileiro irá reagir diante da nova injeção de recursos por parte do Fed (o banco central norte-americano).

"O Brasil não vai permitir que o Real se valorize. Vamos tomar as medidas necessárias. O Banco Central vai comprar mais reservas e podemos tomar outras medidas como taxação e a volta do IOF.", acrescentou o ministro.