Tamanho do texto

Ministro do Desenvolvimento citou ainda as medidas anunciadas esta semana para redução dos preços da energia elétrica, que, segundo ele, "devem prosseguir"

Agência Estado

O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel, disse nesta sexta-feira que o Brasil enfrenta as mudanças na economia, que passa por um momento de inflexão, após reduzir sua taxa de juros e trazê-la para os níveis internacionais. "As taxas de juros poderiam baixar um pouco mais, mas isso é tarefa do Banco Central", afirmou.

Segundo o ministro, a taxa de câmbio foi ajustada nos últimos meses e, se o nível não é ideal, não está tão defasado como antes. Pimentel citou ainda as medidas anunciadas esta semana para redução dos preços da energia elétrica, que, segundo ele, "devem prosseguir". "O governo deve trabalhar também para a redução do preço do gás", afirmou.

O ministro admitiu que a tributação no Brasil ainda não é a ideal e o governo efetuou a redução dos encargos sobre a folha de pagamento como uma medida que veio para ficar. Pimentel citou ainda a infraestrutura brasileira como um dos gargalos que estão sendo atacados pelo governo e revelou que ainda neste mês de setembro ações de incentivo para os portos deverão se somar às já tomadas para rodovias, ferrovias e aeroportos.

Para suportar a demanda criada pelos investimentos em infraestrutura, Pimentel afirmou que o governo deve ampliar a oferta de vagas no ensino técnico nos próximos anos e ainda atingir 30 mil bolsista no programa Ciência Sem Fronteiras no próximo ano.

Segundo Pimentel, o governo vai prover condições de crédito para pequenas empresas e manterá medidas temporárias, como redução de IPI para veículos, as quais, segundo ele, são medidas extremamente necessárias. Pimentel fez as declarações durante palestra no Fórum Exame - O Brasil e as empresas brasileiras no novo cenário mundial.