Tamanho do texto

Para 57% dos entrevistados em 12 países da União Europeia, a moeda única está sendo ou seria ruim para a economia dos seus países; na pesquisa do ano anterior, 53% tinham essa opinião

Reuters

A crise da dívida na zona do euro abalou seriamente a confiança na moeda comum continental, e mais de metade dos europeus considera que ela é ruim para suas economias, segundo uma pesquisa publicada nesta quarta-feira.

"Tendências Transatlânticas 2012", uma grande pesquisa de opinião realizada anualmente nos EUA e na Europa, mostrou também que os europeus conferem uma forte aprovação ao presidente dos EUA, Barack Obama, mas pouco sabem do adversário eleitoral dele neste ano, o republicano Mitt Romney.

Para 57% dos entrevistados em 12 países da União Europeia (incluindo alguns que não usam o euro), a moeda única está sendo ou seria ruim para a economia dos seus países. Na pesquisa do ano anterior, 53% tinham essa opinião.

A pesquisa, realizada pelo Fundo Marshall Alemão dos EUA e pela italiana Compagnia di San Paolo, também colheu opiniões de cidadãos da Rússia, Turquia e EUA.

Cerca de mil pessoas foram entrevistadas em cada país em junho, por telefone ou pessoalmente.

Na Espanha, atual "bola da vez" na crise europeia da dívida, 57% consideram que o euro foi ruim para a economia local - alta de 3 pontos percentuais em relação ao ano anterior.

Houve um aumento expressivo da rejeição ao euro também em países que não adotam a moeda comum - 89% dos britânicos, 84% dos suecos e 71% dos poloneses acham que adotar o euro seria nocivo para suas economias.

Tanto na Espanha quanto na Alemanha, principal economia do bloco e onde há crescente oposição à ajuda financeira para países endividados, pouco mais de um quarto dos entrevistados deseja que seu país deixe a moeda única.

Apesar da crise econômica, 61% dos europeus ainda consideram que pertencer à UE é bom para suas economias. Mas, em 2011, 67% tinham essa opinião.

Falando sobre a política norte-americana, 82% dos europeus manifestaram opinião favorável a Obama, candidato à reeleição em novembro. Só 23% têm uma opinião favorável sobre Romney, enquanto 38% não sabem ou não responderam, e 39% o veem negativamente.

Se pudessem votar nas eleições dos EUA, 75% dos europeus prefeririam Obama, e só 8% apoiariam Romney.

Nos EUA, Obama tem a aprovação de 57% dos entrevistados, e a rejeição de 40%. Romney é visto de forma favorável por 44%, e de maneira negativa por 49%.