Tamanho do texto

Conglomerado alemão diz ter tomado decisão com base em dificuldades no ambiente do mercado

Valor Online

A Siemens planeja realizar uma oferta pública inicial das ações da sua unidade de iluminação Osram. Segundo informou o conglomerado alemão, a decisão foi tomada diante das “dificuldades no ambiente do mercado”.

“A Siemens ainda tem a intenção de manter uma fatia minoritária na Osram, na qual ela quer permanecer como acionista de longo prazo”, afirmou a companhia em nota.

A oferta será feita por meio da separação da empresa. “Separar a Osram fará com que a listagem pública seja mais independente das condições do mercado de capitais. Esse movimento fará com que a Osram tenha a independência que ela precisa bem como mais opções de financiamento mais flexíveis”, explicou a empresa.

Hoje, o conglomerado industrial divulgou lucro abaixo do esperado para o terceiro trimestre do ano fiscal e informou que está se tornando difícil alcançar a meta de ganhos fixada para o ano. O lucro líquido da companhia no período, de 832 milhões de euros (US$ 999 milhões), veio bem abaixo da estimativa de consenso dos analistas, de 1,32 bilhão de euros.

As receitas da Siemens entre abril e junho cresceram 10%, em base anual, para 19,5 bilhões de euros, acima da estimativa de consenso dos analistas, de 18,95 bilhões de euros. Mas, as novas encomendas decaíram 23%, para 17,8 bilhões de euros, abaixo da estimativa de consenso, de 19,86 bilhões de euros.

A Osram, por sua vez, informou que irá montar uma fábrica na China. A unidade vai desenvolver chips de LED e será construída na província chinesa de Jiangsu. A ideia é que ela colabore para o aumento da capacidade das unidades da Osram em Regensburg, na Alemanha, e em Penang, na Malásia. A fábrica na China — que deve ser instalada até o fim de 2013 — vai alojar, em sua linha, componentes fabricados nessas duas unidades. A Osram registrou, no ano fiscal de 2011, encerrado em 30 de setembro daquele ano, receita de, aproximadamente, 5 bilhões de euros.