Tamanho do texto

Acordo de swap de R$ 60 bi com a China e socorro de US$ 10 bi ao FMI reforçam peso da moeda brasileira no cenário internacional e ampliam argumento pela reformulação da cesta monetária que pode substituir o dólar

Ao completar a maioridade, tendo no currículo a façanha de superar a inflação e impulsionar a economia nos últimos 18 anos, o real aos poucos alça voo internacional. A moeda brasileira pleiteia agora a entrada na lista das unidades de valor nacionais da cesta monetária do Fundo Monetário Internacional (FMI), conhecida como Direitos Especiais de Saque (SDR, na sigla em inglês).

Plano Real atinge maioridade com novos desafios à frente no campo fiscal

Após estabilização, independência do BC é um dos próximos desafios, diz Arida

O País negocia no âmbito dos Brics (grupo integrado também por Rússia, Índia, China e África do Sul) e do G-20 (as maiores economias) a abertura da SDR a moedas emergentes para substituir o dólar na condição de papel de pagamento universal comercial globalizado.

Nesse sentido, o país deu dois passos consistentes na semana. Firmou um acordo com a China eliminando a necessidade de contratação de swap (permuta de crédito) nas transações de bilaterais até R$ 60 bilhões, que na prática retira o dólar do caminho do comércio entre chineses e brasileiros, valendo apenas o yuan e o real como moedas de troca. O segundo passo foi o socorro de US$ 10 bilhões concedidos ao FMI , o segundo neste valor em menos de dois anos.

A solução brasileira para a inflação funcionou primeiro fora do país

As ações dão fôlego à proposta feita pelo ministro Guido Mantega (Fazenda) em novembro de 2010. Na ocasião, durante a reunião do G-20, grupo formado pelas maiores economia do globo, Mantega aproveitou os holofotes do anúncio do primeiro empréstimo bilionário para sugerir o uso da SDR como moeda internacional. A ideia soou um tanto ousada: retirar do dólar o poder de intermediar o comércio mundial.

Perda de valor

A crise nos países desenvolvidos, com a moeda americana perdendo valor em meio à liquidez incentivada pelo governo Obama para impulsionar o consumo e os solavancos financeiros da Europa, é vista como positiva para o real e o yuan entrarem na SDR. A justificativa é de moeda brasileira está fortalecida pela resistência à crise internacional e a chinesa pelo fôlego de sua economia. Assim, podem reforçar o sistema global de pagamentos.

A proposta começa a soar como possível num momento no qual o Euro balança sem conseguir tirar a Europa da turbulência em seu sistema bancário e o dólar patina junto com o fraco desempenho da economia americana.

Resta saber se o Brasil terá força até 2015 para mudar o critério de moedas “livremente utilizáveis” definido pelo FMI em 2000, em ação apontada como decidida pelas atuais moedas de referência para não para barrar os emergentes e não perder influência no mercado global.

Ajuda dos hermanos

A chave para entrar na SDR, contudo, pode estar nos critérios “amplamente utilizada” e “amplamente negociada”, adotados pelo FMI no final do ano passado. É neste ponto que o Mercosul pode ajudar o real.

A liberação para transações com moeda local dentro do bloco econômico, formalizado no final de 2008, pode elevar a classificação de “negociada” e “utilizada” do real fora das fronteiras nacionais. Restrito ainda a Brasil e Argentina, o fluxo livre de pagamento em reais pode render créditos para a moeda brasileira alegar capacidade de circulação internacional ao FMI.

O governo brasileiro já tem, inclusive, a conta da evolução do emprego do real no território argentino. Segundo o Banco Central, as transações em reais atingiram 4.973 operações em 2011. Volume superior às 3.410 do ano anterior e quatro vezes maior que as 1.193 de 2009. Em dinheiro, as transações somaram R$ 1,64 bilhão no ano passado, contra R$ 1,26 bilhão em 2010 e R$ 453,5 milhões, em 2009.

O crescimento do uso de moeda própria no comércio exterior para pagamento em outros países ganhar novos contornos a partir do acordo firmado com a China. Por meio dele, o Brasil se aproxima de Pequim, mostrando afinamento diplomático e comercial ao FMI. E sinaliza ao fundo que o argumento aceito em 2000 para introduzir o euro na SDR, de que França e Alemanha são a musculatura econômica para segurar o bloco, vale para o real e o yuan: fortes separadamente e unidas comercialmente.

Veja imagens de alguns momentos marcantes da economia antes e depois do real

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.