Tamanho do texto

Em Brasília serão investidos R$ 640 milhões para ampliar a estrutura do terminal até a Copa do Mundo de 2014 e em Viracopos R$ 1,4 bi serão gastos na construção de um novo terminal

Os consórcios que arremataram os contratos de concessão dos aeroportos de Brasília e Viracopos anunciaram hoje os investimentos que serão feitos nos terminais. A soma dos aportes revelados até agora é de R$ 2,04 bilhões. 

Leia também:  Privatização de aeroportos rende R$ 24,5 bilhões ao governo

Em Brasília, o consórcio Inframérica anunciou que vai investir R$ 640 milhões para ampliar a estrutura do terminal até a Copa do Mundo de 2014. A principal obra na primeira etapa da concessão é um novo terminal, com capacidade para processar pelo menos mil passageiros de voos domésticos em hora de pico durante o embarque e 1,2 mil passageiros durante o desembarque, além de 15 posições de embarque com finger (ponte de embarque e desembarque) e estacionamento para 24 aeronaves.

O consórcio Inframérica assume a gestão do aeroporto de Brasília pelos próximos 25 anos. "Tudo isso tem que ser feito com rapidez. Não temos tempo a perder", disse o principal executivo da nova concessionária, José Antunes Sobrinho. A Inframérica, que detém ainda a concessão do aeroporto de São Gonçalo do Amarante (RN), firmou duas parcerias com consultorias técnicas especializadas: a Mitre (que dará suporte tecnológico para a operação e a modernização do aeroporto de Brasília) e a AECOM (empresa líder de construção nos Estados Unidos, com experiência na reconstrução do World Trade Center).

A concessionária Aeroportos Brasil, que vai administrar o aeroporto de Viracopos pelos próximos 30 anos, investirá R$ 1,4 bilhão na construção de um novo terminal com capacidade para 14 milhões de passageiros por ano. O terminal terá 110 mil metros quadrados, edifício-garagem com três pisos e 28 posições para o estacionamento de aeronaves com fingers, além de sete posições remotas. "As obras devem começar em outubro", disse ao Valor o presidente do conselho de administração da Aeroportos Brasil, João Santana. Elas serão concluídas no prazo de 22 meses, o que corresponde à primeira fase de obras exigidas no contrato de concessão, e poderão ser inauguradas antes da Copa do Mundo de 2014.

O plano da concessionária vai além da exigência do edital, que previa um novo terminal de 5,5 milhões de passageiros/ano na primeira etapa. "Mesmo que tenhamos certa ociosidade no início, isso nos dará tranquilidade para o crescimento das operações." A concessionária, liderada pela Triunfo e pela UTC, promete "melhorias imediatas" para os passageiros de Viracopos. A partir de amanhã, uma série de intervenções mais simples está programada, como mudanças na sinalização, reforma de banheiros, instalação de guaritas de vigilância e passarelas cobertas para ligar o terminal atual ao estacionamento.

"São dezenas de itens", afirmou Santana. A operadora francesa Egis tem 10% de participação na concessionária. Triunfo e UTC possuem 45% cada de participação. Não está prevista abertura de capital nem mudança societária nos primeiros anos de operação.

A Invepar, que assume com a sul-africana ACSA a operação do aeroporto de Guarulhos pelos próximos 20 anos, promete antecipar investimentos exigidos no contrato de concessão e construir um terminal com capacidade para 12 milhões de passageiros por ano até a Copa do Mundo de 2014. O governo exigia a ampliação do aeroporto, com um novo terminal, em 7 milhões de passageiros/ano.

O projeto apresentado pelo presidente da Invepar, Gustavo Rocha, prevê ainda um estacionamento com capacidade para 10 mil veículos, 22 novas pontes de embarque (fingers) e saídas rápidas de pouso e decolagem nas pistas. "Vamos praticamente dobrar a capacidade do aeroporto de Guarulhos até 2022", disse Rocha, acrescentando que ela chegará a 60 milhões de passageiros/ano.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.