Tamanho do texto

Valor é 17% maior do que em 2010, aponta estudo das Nações Unidas

Usina Gemasolar, na Espanha: nova tecnologia tira empecilhos da energia solar
AFP
Usina Gemasolar, na Espanha: nova tecnologia tira empecilhos da energia solar

Os investimentos mundiais em energias renováveis totalizaram US$ 257 bilhões em 2011, valor 17% maior do que no ano anterior, segundo dois relatórios divulgados nesta segunda-feira no Canadá. Além disso, de acordo com os últimos números, as fontes renováveis proporcionaram 16,7% das necessidades energéticas do mundo.

Poder Econômico:  Fontes limpas já somam 88,8% da matriz energética do Brasil

"Tendências Globais em Investimentos de Energias Renováveis", do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma), e o "Relatório de Situação Global", da Renewable Energy Policy Network for the 21st Century (REN21), também revelaram que existe um excesso de fabricantes de equipamentos e uma queda dos preços.

Leia também: Projetos de energia solar começam a sair do papel

Os dois relatórios destacaram que embora o aumento de 17% foi muito inferior ao do ano anterior (37%), isto ocorreu num momento de rápida queda dos preços dos equipamentos de energias renováveis e em meio aos cortes fiscais nos países desenvolvidos. Eric Usher, gerente da Divisão de Tecnologia, Indústria e Economia do PNUMA, declarou à Agência Efe que embora a crise mundial não tenha impedido "um significante aumento dos investimentos, no setor o aprofundamento da crise financeira europeia é vista com preocupação".

Usher também destacou que outra preocupação é "a capacidade excessiva". "Existe um excesso de produção de equipamentos nos setores solar e eólico. Isto se traduz numa redução dos custos mas nos mercados de valores a mensagem não é tão boa porque muitos dos fabricantes estão perdendo dinheiro", acrescentou. Usher disse que a situação está provocando uma consolidação das empresas do setor para fazer frente à crescente competitividade.

Achim Steiner, diretor-executivo de PNUMA, também apontou o lado positivo do fenômeno. "A situação de excesso de capacidade em alguns setores renováveis, particularmente o solar, proporciona a oportunidade de projetos mais caros em novos mercados com custos que poucos pensaram possíveis há alguns anos.

Isto é particularmente atrativo para muitos países em desenvolvimento onde a população tem pouco acesso a serviços modernos de energia", disse Steiner. Neste sentido, Christine Lins, secretária executiva do REN21, disse à Efe que muitos países em desenvolvimento estão aproveitando a conjuntura para proporcionar energia elétrica a locais que até agora careciam deste serviço.

"Nos países em desenvolvimento, onde grande parte da população não têm acesso a eletricidade, observamos um grande desenvolvimento de instalações 'off the grid' (desligado da rede)" declarou Lins. A executiva de REN21 apontou outros benefícios. "As energias renováveis não só estão proporcionando soluções com um custo efetivo, mas estão proporcionando soluções muito mais rápidas e mais adaptáveis para esses propósitos", acrescentou.

Os dois relatórios destacaram novamente que a China é o país que mais investiu em energias renováveis (cerca de US$ 52 bilhões em 2011). Os Estados Unidos, graças aos programas públicos de estímulo ao setor, investiram US$ 51 bilhões, um aumento de 57% em relação ao ano anterior.

Os sete principais países em investimento energias renováveis, excluídas as grandes hidrelétricas, são China, Estados Unidos, Alemanha, Espanha, Itália, Índia e Japão. Estes sete países acumulam 70% da capacidade do setor, excluindo as hidrelétricas. Se for contabilizado a produção por habitante, a Alemanha está em primeiro lugar, seguido por Espanha, Itália, EUA, Japão, China e a Índia.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.