Tamanho do texto

Na avaliação de economistas, estímulo monetário chinês permitirá um avanço nas exportações brasileiras, reforçará investimentos estrangeiros e animará empresários

A surpreendente decisão da China de cortar os juros em 0,25 ponto porcentual para 6,31% ao ano terá um impacto positivo na economia brasileira, estagnada desde o início do segundo semestre de 2011. Na avaliação de economistas ouvidos pela reportagem em Nova York, o estímulo monetário na China permitirá um avanço nas exportações brasileiras, com a melhora dos termos de troca, além de reforçar investimentos estrangeiros diretos (IED) e reanimar as expectativas de empresários.

Leia mais:  Banco Central da China corta taxas básicas de juros

"Esta ação inesperada vai ajudar o Brasil na venda de seus produtos para aquele país asiático, no ingresso de dólares via IED", disse Tony Volpon, diretor de pesquisa para mercados emergentes na América Latina da corretora Nomura Securities. "Além disso, vai incrementar a percepção de que este parceiro comercial extremamente importante não vai apresentar um pouso forçado neste ano".

Os economistas da corretora japonesa Nomura estimam que o Produto Interno Bruto (PIB) da China crescerá 8,4%, acima do piso de 7,5% para o crescimento econômico estabelecido pelo governo chinês para 2012. Para os especialistas, a decisão do banco central chinês (PBoC, na sigla em inglês) atenua o pessimismo que tomou conta dos mercados globais nas últimas semanas devido à paralisia política na Zona do Euro, que está em recessão.

Veja ainda:  Economia brasileira cresce 0,2% no 1º trimestre de 2012

Segundo Volpon, a "China salvou o mundo" em 2008 e 2009 quando adotou um robusto programa de investimentos próximo a US$ 500 bilhões com o objetivo de sustentar seu patamar de crescimento num momento em que a economia global ingressava na pior recessão desde a Grande Depressão de 1929. "Muito da expansão de 7,5% do PIB registrada pelo Brasil em 2010 foi motivada pela reação vigorosa da China com aquele pacote fiscal", disse. Ele ressaltou que a vinculação da economia brasileira em relação à chinesa é tão forte que uma parcela da avaliação negativa de investidores em relação ao País surgida recentemente vinha da avaliação generalizada de que as autoridades em Pequim não agiriam com rapidez para sustentar seu padrão de expansão como fez há três anos.

Na opinião de Alberto Ramos, co-diretor de pesquisas para a América Latina da Goldman Sachs, a redução dos juros na China "reduz as chances de revisar para baixo" sua previsão de crescimento de 2,9% para o Brasil neste ano. A sua projeção se tornou otimista em relação a uma série de revisões de estimativas do PIB nacional em 2012, ocorrida nesta semana depois da economia ter registrado um fraco incremento de 0,2% no primeiro trimestre ante o anterior. A Nomura e a consultoria Tendências esperam que a economia brasileira terá uma expansão de 1,9% neste ano, enquanto os economistas do Itaú Unibanco projetam 2%. Para as consultorias MCM e LCA, essa taxa será de 2,2%. Na pesquisa Focus do Banco Central, divulgada na segunda-feira passada, a mediana das previsões para o PIB deste ano caiu de 2,99% para 2,72%.

Enfraquecida, indústria puxou crescimento do PIB no 1º trimestre

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.