Tamanho do texto

Presidenta afirma que o governo está preparado para enfrentar esta segunda etapa da crise financeira internacional com "mais sabedoria e melhores instrumentos"

A presidente Dilma Rousseff afirmou nesta terça-feira que o governo está preparado para enfrentar esta segunda etapa da crise financeira internacional com "mais sabedoria e melhores instrumentos." Para ela, a crise não pode ser um argumento para que conquistas ambientais e de inclusão social sejam perdidas. "Quem aposta na crise, como apostaram no passado, vai perder de novo", afirmou a presidenta durante a cerimônia em que anunciou um pacote ambiental, às vésperas do início da Conferência Rio+20.

Leia também:  Dilma diz que País está "300% preparado" para enfrentar crise

Dilma afirmou que o governo continuará estimulando os investimentos públicos, privados e o consumo como forma de combater os efeitos da crise financeira global. "Ainda temos um arsenal de providências, que será adotado quando necessário", assegurou. Hoje de manhã, no Rio, o presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho, anunciou hoje que o banco de fomento reduziu juros de capital de giro para até 6% ao ano. Além disso, ampliou a abrangência de seu programa de financiamento a capital de giro.

Na véspera, Coutinho foi um dos convocados pela presidente Dilma Rousseff a participar de reunião ministerial para debater a aceleração dos investimentos públicos e discutir medidas para reanimar os investidores privados. Além de Coutinho, estavam presentes os ministros da Fazenda, Guido Mantega, do Desenvolvimento, Fernando Pimentel, a chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, a ministra do Planejamento, Miriam Belchior, da Saúde, Alexandre Padilha, da Integração, Fernando Bezerra e da Educação, Aloizio Mercadante.

Leia:  Diante de rei espanhol, Dilma defende políticas de estímulo a crescimento

Estavam, ainda, o secretário-executivo do Ministério da Fazenda, Nelson Barbosa, e o do Tesouro Nacional, Arno Augustin. A presidente acionou sua equipe porque está preocupada com a disseminação da expectativa de que o crescimento da economia brasileira este ano não passará de 2% a 2,5% - pior, portanto, que os 2,7% do ano passado. (Fernando Exman e Yvna Sousa |Valor)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.