Tamanho do texto

Apesar do desempenho ruim entre janeiro e março, o ministro da Fazenda disse que a agricultura brasileira "vai muito bem" e continua sendo uma das melhores do mundo

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou nesta sexta-feira, em coletiva de imprensa em São Paulo, que os efeitos da queda do Produto Interno Bruto (PIB) da agricultura sobre o PIB total no primeiro trimestre são sazonais e não devem afetar o crescimento do país.

"Embora agricultura represente só 5% do PIB, houve quebra da safra de soja, produção menor de arroz de fumo e isso puxou os dados para baixo", disse.

Economia brasileira cresce 0,2% no 1º trimestre de 2012

Enfraquecida, indústria puxou crescimento do PIB no 1º trimestre

O ministro garantiu, no entanto, que a agricultura brasileira "vai muito bem" e continua sendo uma das melhores do mundo.

O ministro da Fazenda, Guido Mantega:
Reuters
O ministro da Fazenda, Guido Mantega: "A boa notícia é que a indústria cresceu"

Ele destacou ainda o crescimento de 1,7% da indústria, que deve render alta anualizada de 6%. "A boa notícia é que a indústria cresceu", disse.

"A extração mineral teve retração de 0,5% por conta de chuvas em Minas, mas o crescimento foi positivo na indústria como um todo, após três recuos seguidos", diz.

Dessa forma, Mantega diz que "depois da indústria ter dado contribuição menor para o PIB em 2011, deverá ter participação melhor esse ano", diz. 

Banco Central

Após a divulgação do fraco resultado do PIB, que cresceu 0,2% no primeiro trimestre, o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, afirmou que o desempenho confirma que a recuperação da atividade econômica tem sido bastante gradual.

Quebra na safra de soja afetou PIB da agropecuária, segundo IBGE

Consumo das famílias cresce 1% no 1º tri ante o 4º tri de 2011, aponta IBGE

"A demanda doméstica continuou sendo o principal suporte da economia, com o consumo das famílias sendo estimulado pela expansão moderada do crédito, pela geração de empregos e de renda", disse Tombini em nota.

Ainda de acordo com o presidente da autoridade monetária, os fundamentos e o mercado interno robusto constituem um diferencial da economia brasileira. "Dessa forma, mesmo diante do complexo ambiente internacional, as perspectivas apontam intensificação do ritmo de atividade ao longo deste ano", afirmou.

(Com Valor Online)


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.