Tamanho do texto

O grupo Petrobras responde pela maior parte do orçamento de investimentose já  desembolsou R$ 24 bilhões

As empresas estatais investiram R$ 26,5 bilhões de janeiro a abril deste ano, segundo relatório do Ministério do Planejamento, publicado na edição de hoje do Diário Oficial da União. O valor corresponde a 24,7% do total autorizado para o ano, que é de R$ 107 bilhões. Representa, também, um aumento nominal de 17,1% em comparação com o montante gasto em igual período de 2011.

Leia também: Os desafios da Petrobras para se manter na liderança regional

O desempenho das estatais tem sido utilizado nas discussões internas pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, para demonstrar que os investimentos caminham bem. A despeito disso, a presidente Dilma Rousseff determinou um "choque" nessa área para estimular a economia. O grupo Petrobras responde pela maior parte do orçamento de investimentos das empresas estatais e dispõe de R$ 86,8 bilhões, dos quais desembolsou R$ 24 bilhões no período, uma realização de 27,7%.

Desses, R$ 15,9 bilhões ficaram a cargo da Petrobrás e R$ 240 milhões pela Petrobrás Distribuidora. A Transpetro aplicou R$ 220 milhões do total de R$ 1,6 bilhão que lhe foi reservado. A refinaria Abreu e Lima já desembolsou R$ 3,4 bilhões este ano, 34,9% da dotação disponível. O grupo Eletrobrás, que reúne 19 empresas do setor com participação da União, apresentou um índice de realização mais baixo, de 13,1%, tendo investido R$ 1,3 bilhão de um total disponível de R$ 10 bilhões.

A Eletrobrás apresentou o menor índice de desempenho do grupo, tendo gasto apenas 2,1% de seu orçamento até abril. A Telebrás investiu R$ 28 milhões de um total de R$ 400 milhões disponíveis, uma realização de 7,1% o que tem sido alvo de cobranças do ministro das Comunicações, Paulo Bernardo. Os Correios investiram R$ 87 milhões, 10,2% do total que lhe foi reservado.

O relatório registra também um conjunto de empresas que não investiram nada nos quatro primeiros meses do ano. É o caso da Companhia Docas do Maranhão (Codomar), das quatro empresas do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj) e da Petrobrás International Finance Company (PIFCo). 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.